Controladoria investigará propaganda de Covas em entrega de cestas básicas

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - NOVEMBER 15: Bruno Covas, candidate for mayor of the city of Sao Paulo for the Brazilian Social Democracy Party (PSDB) wearing a protective mask gestures after voting during the municipal elections day on November 15, 2020 in Sao Paulo, Brazil. In Sao Paulo, 13 candidates are running for mayor, and about 2,000 candidates compete for one of the 55 vacancies in the Chamber for Councilman. (Photo by Alexandre Schneider/Getty Images)

A Controladoria-Geral do Município (CGM), órgão fiscalizador da Prefeitura de São Paulo, abriu sindicância para investigar a participação de carros de som com propaganda do prefeito Bruno Covas (PSDB), candidato à reeleição, próximo a um local de distribuição de cestas básicas na Brasilândia, na zona norte da capital paulista.

Em vídeo que circula nas redes sociais, um carro de som adesivado com o número de Covas toca o jingle da campanha do tucano na rua Raulino Galdino da Silva, no Morro Grande, a poucos metros da entrega das cestas.

Leia também

Em nota ao jornal O Estado de S. Paulo, a Prefeitura informou que a doação de alimentos faz parte do Programa Cidade Solidária, instituído no início da pandemia. Moradores da região, no entanto, afirmaram à reportagem que a entidade sempre distribuiu leite duas vezes por semana, mas essa foi a primeira vez que doou cestas básicas.

Covas disse que pediu a investigação à CGM: “Em nenhum momento a campanha se utilizou dessa distribuição. Já determinei à Controladoria que investigue o que aconteceu na Brasilândia e quem são os responsáveis”.

A campanha de seu adversário no segundo turno, Guilherme Boulos (PSOL), acionou a Justiça Eleitoral contra Covas, acusando abuso de poder político “em prol da promoção do candidato à reeleição”.

À Justiça Eleitoral, os advogados de Boulos pedem que o caso seja investigado e testemunhas, ouvidas. O caso precisará ser analisado por um magistrado do TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo), que decidirá se acolhe ou não a ação. Esta é a segunda ação de Boulos apresentada nesta semana em que Covas é acusado de abuso de poder.

Caso a Justiça decida que houve abuso, o registro da candidatura de Covas poderá ser cassado. O tucano também poderá ficar inelegível.

“A distribuição foi feita às escâncaras, enquanto carros de som oficiais de campanha do representado tocavam jingles de campanha e militantes distribuíam flyers informativos do candidato”, diz o pedido da campanha de Boulos.

A defesa de Boulos alega que “houve uso de programa social em benefício” da candidatura de Covas.

“A mera distribuição das cestas a uma semana do segundo turno das eleições já seria suficiente para denotar a prática do abuso. Não bastasse isso, houve efetiva vinculação da distribuição das cestas com a campanha do representado, candidato à reeleição”, dizem os defensores da campanha de Boulos.