Controverso e negacionista: Veja como a imprensa estrangeira noticiou a morte de Olavo de Carvalho

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO - A morte do escritor bolsonarista Olavo de Carvalho na madrugada desta terça-feira repercutiu na imprensa internacional. Jornais estrangeiros se referiram ao ideólogo como 'controverso' e 'negacionista'. Olavo de Carvalho morreu aos 74 anos, cerca de uma semana após ser diagnosticado com Covid-19.

No britânico "The Guardian", Olavo foi chamado de 'negacionista do coronavirus' e mentor do presidente Bolsonaro e da direita radical brasileira. A reportagem apontou momentos em que o escritor criticou as tentativas de conter a pandemia.

Já a agência de notícias Associated Press se referiu a Olavo de Carvalho como um "divisivo filósofo brasileiro de direita" e um "provocador". A reportagem chama atenção para a tendência do escritor de divulgar teorias da conspiração, como quando questionou se a terra é plana. O texto também aponta sua evolução de uma figura "marginal" para alguém com influência no governo federal, tendo supostamente indicado ministros nos primeiros meses do governo Bolsonaro.

A "Reuters" ressaltou a postura anticomunista de Olavo e sua crença em grandes conspirações globais, que envolveriam o bilionário George Soros, o Facebook e a China. A agência de notícias apontou também as críticas recentes feitas pelo escritor ao presidente Jair Bolsonaro, após a aproximação de seu governo com o Centrão.

A "Bloomberg" referiu-se a Olavo de Carvalho como um 'controverso cruzado da extrema-direita', e chamou atenção da sua perda de influência no governo Bolsonaro.

No jornal francês "Libération", Olavo de Carvalho é lembrado por sua contribuição para ascensão de Jair Bolsonaro, de quem seria um "mestre espiritual". Segundo o jornal, ele era conhecido por seu anticomunismo e ideais conspiratórias. De acordo com o alemão "Express", os livros e cursos online do ideólogo bolsonarista ajudaram a direita brasileira nas eleições de 2018.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos