Convite da Índia a Bolsonaro exibe desejo de fortalecer laços

PATRÍCIA CAMPOS MELLO
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 16.01.2020 - O Presidente Jair Bolsonaro durante entrevista na entrada do Palácio da Alvorada, em Brasília. (Foto: Andre Coelho/Folhapress)

DÉLI, ÍNDIA (FOLHAPRESS) - Como convidado de honra do Dia da República da Índia, o presidente Jair Bolsonaro será homenageado durante uma dupla celebração.

Originalmente, o dia 26 de janeiro comemorava a independência da Índia, porque foi nessa data, em 1930, que o partido Congresso Nacional decidiu que lutaria para se emancipar do Reino Unido.

Depois da independência indiana, em 15 de agosto de 1947, líderes queriam que o dia 26 continuasse a ser lembrado, então fizeram com que a promulgação da Constituição, em 1950, ocorresse na data.

A Constituição marca a transição completa do país para uma democracia após a independência do Reino Unido.

No Dia da República, um desfile grandioso ocorre pelo Rajpath, um dos principais bulevares da capital indiana, e reúne uma multidão de até 1 milhão de pessoas, com direito a caças cruzando os céus, e tanques e camelos nas ruas.

O evento se tornou uma data para celebrar os feitos da Índia nos campos militar e científico e para exaltar a diversidade cultural, religiosa e étnica do país.

Às vezes há apenas um convidado de honra, como neste ano e em 2019 --quando o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, foi o escolhido. Os ex-presidentes François Hollande, da França, em 2016, e Barack Obama, dos Estados Unidos, em 2015, também foram homenageados.

Em 2018, no entanto, houve 10 convidados, entre eles os presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, e da Indonésia, Joko Widodo, e o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong.

Os últimos líderes brasileiros a receberem esse convite foram Luiz Inácio Lula da Silva, em 2004, e Fernando Henrique Cardoso, em 1996.

"O convite para qualquer chefe de Estado ou governo para ser o convidado de honra do Dia da República é um reconhecimento da importância que a Índia dá ao relacionamento com o país. Também reflete nosso desejo de aprofundar laços com o país", diz o cônsul-geral da Índia em São Paulo, Amit Kumar Mishra.

"A presença do presidente Bolsonaro no desfile de 2020 também é histórico, uma vez que marca os 70 anos da Índia como república."

Por outro lado, houve críticas na Índia sobre a escolha do brasileiro para comparecer ao evento. Ativistas e entidades de esquerda afirmam que um líder com histórico de declarações homofóbicas não deveria merecer tal honra.

"O presidente do Brasil é uma figura tão polêmica, por que o convidamos? Entendo que temos ótimas relações com o Brasil, mas não tinha nenhum outro para a gente convidar?", perguntou uma jornalista indiana no briefing realizado no ministério das Relações Exteriores do país.