Convocação de atos contra Bolsonaro mantêm ruas em ebulição

·5 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 15.01.2019 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 15.01.2019 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A manifestação em defesa do voto impresso organizada por apoiadores de Jair Bolsonaro (sem partido) e uma série de protestos da oposição ao presidente -à esquerda e à direita- nas próximas semanas confirmam a retomada das ruas nesta fase de arrefecimento da pandemia. 

Eletrizados pela live desta quinta-feira (29) em que Bolsonaro fez seu principal ataque ao sistema de votação brasileiro e repetiu com alarde teorias já desmentidas sobre as urnas eletrônicas, bolsonaristas reforçaram o chamado para atos nacionais no domingo (1º) em sua defesa. 

Leia também:

Também nesta sexta-feira (30), a Campanha Nacional Fora Bolsonaro -núcleo de movimentos sociais, partidos e centrais sindicais responsável por quatro mobilizações pelo impeachment em 57 dias, entre maio e o sábado passado (24)— anunciou novas datas de manifestações em agosto e setembro. 

Após um refluxo na adesão às marchas capitaneadas por setores da esquerda, líderes decidiram nesta sexta pulverizar as atividades. A volta às ruas será em 18 de agosto, data para a qual já estava agendada uma paralisação nacional de servidores públicos. 

Nova convocação como as que ocorreram, com passeatas no Brasil e no exterior, foi programada para 7 de setembro, em conunto com o Grito dos Excluídos, tradicional levante promovido no feriado da Independência por alas da Igreja Católica. 

Segundo comunicado da campanha, também estão previstos atos pontuais ao longo de agosto contra o governo e o presidente, aproveitando datas como o Dia do Estudante (11). A estratégia, dizem os articuladores, é ampliar o alcance das mobilizações. 

Antes rachada sobre a realização de protestos de rua em plena pandemia de Covid-19, a esquerda decidiu em maio disputar espaço com grupos bolsonaristas, que mantiveram a realização de atos favoráveis ao governo (inclusive com a presença do presidente) no auge da crise sanitária. 

Mas a oposição quer se diferenciar com a recomendação de uso de máscara para evitar a disseminação do vírus e pedidos de distanciamento social e uso de álcool em gel como forma de atenuar o risco de contágio. A orientação, de modo geral, foi seguida. 

Embora o número de mortes pela doença no Brasil já passe de 554 mil e o país tenha completado 190 dias seguidos de média móvel de óbitos acima de 1.000, sinais de que o problema começa a ser controlado são mais evidentes à medida que avança a vacinação. 

Os atos deste domingo em defesa do voto impresso são convocados por movimentos conservadores que dão suporte a Bolsonaro e parlamentares da base de apoio do governo, com endosso dos filhos do presidente. 

Estão previstas manifestações nas principais capitais e em cidades grandes e médias de vários estados. Em São Paulo, a concentração será na avenida Paulista, às 14h. O protesto no Rio de Janeiro está marcado para as 10h, em Copabacana, e em Brasília será às 9h, no Museu da República. 

Após três anos denunciando supostas fraudes nas eleições brasileiras, Bolsonaro realizou uma transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta para apresentar o que ele chamava de provas das suas alegações, mas só exibiu teorias que circulam há anos na internet, já desmentidas. 

Apesar de tratadas com descrédito pela maior parte dos universos político e jurídico, as declarações do presidente insuflaram a mobilização dos simpatizantes fiéis, que ecoam suposições de manipulação e antecipam um roteiro de revolta caso perca as eleições. 

Pré-candidato para 2022, Bolsonaro está em seu pior momento de popularidade —reprovado por 51% dos brasileiros, maior índice desde que assumiu, segundo o Datafolha— e vê o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liderando com vantagem as pesquisas de intenção de voto. 

Em outra frente, setores à direita que se opõem ao presidente anunciaram para 12 de setembro manifestação nacional contra ele, puxada pelos movimentos MBL (Movimento Brasil Livre) e VPR (Vem Pra Rua) e por líderes de partidos como Novo e PSL. 

A convocação, que acentuou a tendência de divisão das ruas, ocorreu após o fracasso de tentativas de convencer integrantes do MBL e do VPR, que tiveram papel relevante nas passeatas pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT), a aderirem às mobilizações da esquerda. 

Foi decisiva para o racha a avaliação dos dois movimentos de que os protestos tinham se convertido em eventos de apoio à pré-candidatura de Lula e incluíam também bandeiras com as quais discordam, como o enfrentamento à agenda liberal do ministro Paulo Guedes (Economia). 

PT, PSOL e PC do B e organizações como MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e CUT (Central Única dos Trabalhadores) estão na linha de frente das marchas iniciadas em maio. 

Os sinais de cansaço dos manifestantes, materializados na menor presença de público em parte dos atos recentes, obrigaram os articuladores a rever o planejamento de datas para tentar interromper o esvaziamento da mobilização. 

Apesar do menor número de participantes em algumas cidades, porta-vozes comemoraram o recorde de 509 atos no total, que, segundo o balanço oficial, reuniram 600 mil pessoas. 

A perda de tração foi atribuída a fatores como a estagnação da pauta do impeachment, com a oposição do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ao andamento de algum dos mais de cem pedidos de destituição protocolados na Casa. 

Além disso, Bolsonaro reforçou sua base parlamentar com a escolha de Ciro Nogueira (PP-PI), um dos líderes do centrão, para a Casa Civil, reduzindo as chances de que um eventual processo de deposição seja aprovado. 

Outra questão considerada foi o recesso da CPI da Covid no Senado, que esfriou o noticiário sobre a atuação do presidente na crise sanitária e as suspeitas de corrupção na aquisição de vacinas. 

Em nota, a Campanha Fora Bolsonaro disse que os organizadores "fizeram avaliação positiva das manifestações" de sábado e que a luta prossegue até "o fim desse governo criminoso que destrói a vida, a economia e a nação". 

"Voltaremos às ruas no dia 18 de agosto, com os servidores públicos de todo o país", segue a nota. A Campanha Fora Bolsonaro também prevê protestos pontuais em 5, 11 e 28 de agosto. Sobre o 7 de setembro, o comunicado diz que a ideia é trabalhar pela convergência com o Grito do Excluídos, para construir "um grande dia de mobilização nacional e unitário".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos