Coordenador de Eduardo Leite diz temer que perdedor não reconheça resultado do PSDB

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO*( SAO PAULOS/ SP, BRASIL, 19.11.2021 : Eduardo Leite no  6º Congresso Nacional do MBL, realizado no Museu da Imigração com mediacao de André Marinho.  (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUIVO*( SAO PAULOS/ SP, BRASIL, 19.11.2021 : Eduardo Leite no 6º Congresso Nacional do MBL, realizado no Museu da Imigração com mediacao de André Marinho. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Paulo Serra, prefeito de Santo André (SP) e coordenador da campanha de Eduardo Leite (RS) nas prévias do PSDB, diz que o fiasco de domingo (21) pode ter gerado um dano irreversível à credibilidade do aplicativo utilizado e que, caso ele seja mantido, é possível que o candidato derrotado não reconheça a vitória do adversário.

"Sinceramente, hoje, acho [que é possível que perdedor não reconheça o resultado]. Há um arranhão na credibilidade no sistema. As alternativas têm que ser construídas conjuntamente, pelas três campanhas, sem essa guerra de narrativas que tem acontecido", diz Serra.

"É inegável que mesmo que tecnicamente haja reparação [do app], há um arranhão já profundo. Isso precisa ser bem debatido. Eu acho que agora, para que a imagem do partido seja reconstruída do infeliz domingo, só a união dos esforços de todas as candidaturas e da executiva, só uma construção coletiva vai poder reconstruir esse processo. Ataques, fake news e ofensas não vão colaborar em nada com a imagem do partido", complementa.

"Temos que pensar no dia seguinte. Vencedores e vencidos terão que ir às ruas juntos para batalhar por essa terceira via. Tem que deixar um pouco a vaidade de lado e pensar agora na imagem partidária e no que representa o PSDB", afirma Serra.

O PSDB anunciou que concluirá a votação das prévias presidenciais até domingo (28) e afirmou que, se o aplicativo contratado não oferecer garantias de viabilidade, poderá adotar tecnologia privada para finalizar o processo.

A decisão foi tomada em reunião nesta segunda (22) na sede do partido em Brasília e, anunciada como um "acordo" entre as campanhas, acabou sendo contestada pelo governador gaúcho.

"A cada dia que passa esse processo vai perdendo a sua credibilidade", afirmou Eduardo Leite.

Já Doria confirmou "apoio às soluções anunciadas pelo presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos