COP21: ONU pede esforços em matéria de saúde pública

Poluição do ar é vista em uma via expressa, em Cingapura, no dia 29 de setembro de 2015

A conferência do clima COP21 em Paris, em dezembro, pode produzir o acordo "mais importante do século em matéria de saúde pública", estimou nesta terça-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS), pedindo para que os países não deixem de lado este objetivo.

Segundo a OMS, as mudanças climáticas já são responsáveis pela morte de dezenas de milhares de pessoas anualmente.

No ano passado, os especialistas da agência da ONU publicaram um relatório indicando que 7 milhões de pessoas morrem anualmente em decorrência de doenças ligadas à poluição do ar.

E infecções como a malária são reforçadas pelo aquecimento global.

O acordo, "se for um bom [acordo] será provavelmente o mais importante do século em matéria de saúde pública", afirmou a diretora do departamento de saúde pública da OMS, Maria Neira.

Entre as diversas propostas consideradas, a OMS vê com bons olhos especialmente a ideia de aumentar o custo da utilização de combustíveis fósseis.

Tal "imposto" poderia reduzir pela metade o número de mortes relacionadas com a poluição do ar, reduzindo as emissões de dióxido de carbono e dar origem a 3.000 bilhões de dólares em receita, segundo a OMS.

A conferência será realizada em Le Bourget, ao norte de Paris, entre 30 de novembro e 11 de Dezembro. A COP21 visa fazer com que 195 países, reunidos sob os auspícios das Nações Unidas, adotem um acordo global para frear o aquecimento global. Almeja cumprir os compromissos dos países para conter o aumento da temperatura a 2 graus Celsius em relação à era pré-industrial.