Copa América: chilenos e uruguaios confiam na vitória

Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil

No que depender do otimismo, a Copa América deste ano já tem um dono. Ou melhor, dois. Tanto os torcedores do Chile quanto os do Uruguai demonstram total confiança de que suas seleções serão campeãs do torneio. As equipes, que se enfrentam nesta segunda-feira (24), às 20h, no Maracanã, já estão classificadas para a próxima fase, mas o resultado da partida vai decidir o cruzamento.

Quem ficar em primeiro lugar, por exemplo, terá um dia a mais de descanso, o que pode ser fundamental em uma competição apertada como a Copa América, tanto em termos de repouso quanto na recuperação física e de lesões.

“Tenho certeza que ganhamos hoje, muita fé no time, excelente. Será 2 x 0”, disse o uruguaio de Montevidéu Nicolás Lescano. Ele confessa que o Maracanã é como uma segunda casa para os uruguaios. “Temos a experiência de 1950 [quando o Uruguai foi campeão em cima do Brasil] e isto nos dá muita satisfação”, disse.

Lescano veio ao Brasil junto com a amiga Adriana Fontan Andreo. “Eu respeito o Chile, mas tenho muita fé no Uruguai. Temos a garra que não tem nenhum outro país do mundo. Vamos ser campeões, temos tudo para isso”, disse Adriana, que visita o Brasil pela primeira vez e ficou impressionada com a organização do evento.

A fé dos uruguaios é a mesma dos torcedores chilenos. “Tenho certeza de que ganharemos hoje, 2 x 1. A partida será difícil, com o Uruguai sempre é complicado”, disse o chileno Nicolás Cruz que veio da capital Santiago com o amigo, também chamado Nicolás, de sobrenome Salazar e que está confiante com o futuro da seleção do Chile: “Estou seguro de que o Chile ganha hoje e será campeão. Se ganhamos hoje, o time mostrará que tem condições de ganhar a Copa América”.

Mesmo de muletas, o engenheiro comercial Rodrigo Dominguez, veio do Chile, certo da vitória: “Se ganhamos hoje, seremos campeões. A partida será difícil, como todas que jogamos contra o Uruguai”.

Já os uruguaios contam também com torcedores de outros países, como Diego Campos, colombiano que vive no Rio, mas veio com a camisa celeste. “Hoje ganha o Uruguai. Tem o melhor ataque. O Chile só tem a ajuda de Deus, mas já está acabado”, disse Diego.