Copa América: jogos ocorrerão em locais com mais de 85% de ocupação de UTIs

·5 minuto de leitura
Mané Garrincha
Estádio de Brasília receberá jogos da Copa América após Argentina e Colômbia desistirem de sediar competição

Quatro sub-sedes que receberão partidas da Copa América no Brasil neste ano têm mais de 80% de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) devido ao agravamento da pandemia de covid-19 no país.

Segundo o governo Jair Bolsonaro, os jogos da competição vão ocorrer em Brasília, Goiás, Mato Grosso e Rio Janeiro. O presidente afirmou que haverá jogos em outro Estado, mas não informou qual.

A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) anunciou na segunda-feira (31/05) que a Copa América 2021 será realizada no Brasil, após a desistência da Argentina e da Colômbia em receber o evento.

A Colômbia vive um momento de instabilidade política e a Argentina teve agravamento no quadro da pandemia. Atualmente a média móvel de mortes em 7 dias é de 485 óbitos na Argentina, que atingiu total de 77 mil mortes por covid.

A situação da pandemia também continua grave no Brasil - o país já ultrapassou 465 mil mortes causadas pelo coronavírus e tem média móvel de 1.881 mortes por dia nos últimos 7 dias. Somente 21,17% da população recebeu a primeira dose de vacina contra a doença.

Mesmo assim, o presidente Bolsonaro e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) fecharam acordo com a Conmebol para a realização da Copa América no Brasil.

Tite
Tite será o técnico da Seleção Brasileira durante a Copa América

Nenhum dos locais onde os jogos serão realizados, pelas informações divulgadas até o momento, tem a pandemia sob controle.

Mato Grosso, por exemplo, tinha até essa segunda-feira 95% das vagas de UTI ocupadas, segundo o governo local. Ao todo, 634 pessoas estavam internadas, sobrando apenas 26 leitos nas unidades de terapia intensiva. Desde o início da pandemia, 10.801 pessoas morreram de covid no Estado.

Goiás segue a mesma tendência: a taxa de ocupação das UTIs está em 89,77%. Nas últimas 24 horas, 79 pessoas morreram de covid-19 no Estado, totalizando 17.167 vidas perdidas desde o início da pandemia.

Já o Distrito Federal, que vai receber os jogos no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, tem um índice de ocupação total de leitos de UTI da rede pública de 87,2%. O Distrito Federal teve mais de 8,6 mil mortes por coronavírus no total.

Com 50 mil mortes, o Rio de Janeiro, onde possivelmente vai ocorrer a final do torneio, é o segundo Estado em número de óbitos, perdendo apenas para São Paulo. A taxa de ocupação de leitos de UTI estava em 94%, segundo dados do último dia 28.

Críticas

A realização da Copa América no Brasil tem sido criticada por infectologistas diante da possibilidade do aumento do risco de transmissão do coronavírus. Ao todo, dez seleções participarão do torneio, com delegações compostas por jogadores, treinadores, assistentes e outros funcionários.

Em entrevista à BBC News Brasil, Antonio Augusto Moura da Silva, professor do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), diz que hoje o Brasil não tem condições de receber nenhum evento.

Segundo ele, a chegada de turistas ao país pode causar um colapso no sistema de saúde já saturado por conta da quantidade de pacientes internados com covid-19.

"Quando aumenta a circulação de pessoas, a tendência é aumentar a taxa de contaminação. Um evento desse ainda pode representar uma ameaça de entrada da variante indiana. O que precisamos ter é um controle de fronteira mais rígido. Sem isso, corremos o risco de aumentar a circulação do vírus e, consequentemente, o número de óbitos", alerta.

Mané Garrincha
O estádio Mané Garrincha, que custou quaste R$ 2 bilhões para a Copa de 2014, será uma das sedes da Copa América deste ano

O presidente Jair Bolsonaro refutou as críticas, afirmando que a competição vai seguir os protocolos da Libertadores da América e da Copa Sul-Americana, dois campeonatos de clubes organizados pela Conmebol.

"TV Globo, [vocês] perderam. E abram o olho para 2022", completou o presidente, fazendo alusão ao fato da rede de TV não ter adquirido os direitos de transmissão do torneio e à renovação de parte das concessões públicas da emissora, que vence no ano que vem.

Outros Estados recusaram torneio

Outros Estados eram possíveis candidatos a receber o torneio, mas alguns governadores anunciaram que não receberão as partidas por causa da pandemia.

Pernambuco, governado por Paulo Câmara (PSB), divulgou uma nota nesta segunda dizendo que, apesar de não ter sido oficialmente procurado pela Conmebol, descartou receber qualquer partida no Estado. "O atual cenário epidemiológico não permite a realização de evento do porte", diz a nota.

O jogador Neymar
Neymar é um dos astros que vão jogar a Copa América neste ano

Outra possibilidade era a Arena das Dunas, em Natal, que recebeu jogos da Copa do Mundo de 2014. Mas a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), afirmou no Twitter que o Estado não tem "níveis de segurança epidemiológica para realização do evento" e que está em uma "luta diuturna para amenizar os efeitos da pandemia, que está em um momento crescente" por lá.

Já João Doria (PSDB), governador de São Paulo, havia afirmado na segunda-feira que o Estado não opunha à realização dos jogos.

Já nesta terça, após o anúncio das sedes, Doria afirmou que comunicou à CBF que não receberia a competição. "Após ampla consulta aos membros do Centro de Contingência (do combate à pandemia) concluímos que (a Copa América) representaria uma má sinalização do arrefecimento no controle da transmissão do coronavírus. A prioridade é conter a pandemia", escreveu o tucano nas redes sociais.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!