Copa América pode ser cancelada? Quais países podem sediar? Tudo o que se sabe até agora sobre o torneio

·2 minuto de leitura

Os dois países que receberiam a próxima edição da Copa América desistiram por motivos diferentes, e o torneio está atualmente sem sede. Após sofrer um adiamento no ano passado devido à pandemia de Covid-19, a competição se coloca novamente em um cenário de indefinições e incertezas.

Originalmente, a Copa América seria sediada em conjunto por Colômbia e Argentina a partir de 13 de junho. No último dia 20, a Conmebol resolveu retirar a competição da Colômbia por conta dos violentos confrontos e protestos que vêm acontecendo em meio à reforma previdenciária do país. Na época, o Governo do país pediu à Conmebol que adiasse a competição. O órão sul-americano rejeitou imediatamente o pedido e anunciou que a Argentina assumiria todo o torneio.

Já no último domingo, o ministro do Interior da Argentina, Eduardo Pedro, afirmou que a situação sanitária local, em meio à pandemia do novo coronavírus, torna "muito difícil" a realização do torneio. No sábado, o país iniciou nove dias de quarentena total, enquanto registra média diária sem precedentes de 30 mil infecções e quase 500 mortes, com o sistema de saúde no limite.

Segundo o canal "Sportv", a entidade fará reunião de emergência às 9h desta segunda-feira, e o cancelamento da competição está em pauta. Mas a Conmebol ainda tem esperanças de conseguir realizar o torneio, informou que outros países se candidataram à sede, e analisa as opções.

Na semana passada, os governos do Equador e da Venezuela enviaram propostas oficiais à Conmebol para receberem os jogos que aconeteceriam na Colômbia. O Chile seria um desses países que se ofereceram, mas é uma alternativa pouco viável. Levar a Copa América para EUA, como foi especulado, é uma opção descartada, de acordo com o "Uol".

A Conmebol reconhece que o cenário é complicado, mas o cancelamento representaria um prejuízo. Os direitos de transmissão da competição valem cerca de US$ 100 milhões (em torno de R$ 522 milhões).

A seleção brasileira está no Grupo A da competição, juntamente com Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. A estreia está marcada para o dia 14 de junho, às 20h (de Brasília).