'Copeiro', Ivan faz história na Rússia e busca afirmação no Zenit

Ivan, goleiro do Zenit. Foto: Maksim Konstantinov/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Ivan, goleiro do Zenit. Foto: Maksim Konstantinov/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

De Moscou

Jogadores brasileiros no futebol russo estão longe de ser uma novidade. São vários os que jogam no momento, como Malcom, Claudinho, Wendel, entre outros, e muitos outros que fizeram história no país como Vagner Love e Daniel Carvalho.

Porém quando o assunto é goleiros, o panorama muda completamente. Em toda a histórias são apenas dois os brasileiros que atuaram nesta posição por um clube do país.

Leia também:

E os dois estão em atividade atualmente. O pioneiro foi Guilherme Marinato, que está no Lokomotiv desde 2007, é uma lenda do clube e já defendeu a seleção russa em diversas oportunidades.

O outro é Ivan, que chegou recentemente ao Zenit emprestado pelo Corinthians e ainda busca seu espaço no país.

Até o momento, foi utilizado em apenas duas partidas, na Copa da Rússia. Uma vitória de 2 a 0 sobre o Fakel e uma derrota de 2 a 0 para o Krylya Sovetov.

"Estou muito feliz de estar aqui e estar tendo as primeiras oportunidades. Estou trabalhando muito desde que fui apresentado e estou me preparando o máximo para sempre que for solicitado poder ajudar a equipe", disse o goleiro em entrevista exclusiva ao Yahoo Esportes.

A utilização de Ivan na Copa se dá pelo fato de o Zenit estar usando uma equipe mista no torneio. Assim, existe a possibilidade de ser testado pelo técnico Sergey Semak. Além disso, com os testes os russos ganham mais espaço na equipe, o que abre a possibilidade maior de um estrangeiro ser colocado no gol.

Pelo regulamento na Rússia, oito atletas nascidos fora do país podem estar em campo ao mesmo tempo.

Na Liga Russa, o Zenit costuma usar todas as vagas disponíveis, o que faria não valer a pena "gastar" uma delas no gol. E esta opção não é feita apenas pelo atual tetracampeão. Todas as outras 15 equipes do torneio contam com russos na posição.

Ivan, goleiro do Zenit. Foto: Maksim Konstantinov/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Ivan, goleiro do Zenit. Foto: Maksim Konstantinov/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

"Acho que pela questão de número de estrangeiros pode dificultar um pouco. Os goleiros aqui, tanto o Misha (Kerzhakov) e o Danya (Odoyevsky) são bons goleiros e a concorrência é boa. Mas como eu disse, sempre estarei pronto para ajudar a equipe", afirmou.

Este fato de russos serem preferidos em uma posição em que na visão dos clubes locais não vale tanto a pena investir em estrangeiros que possam fazer a diferença foi o que fez em seu tempo Guilherme Marinato optar pela cidadania russa.

Foi uma naturalização diferente por exemplo da de Mário Fernandes, que foi convidado para defender a seleção.

"Sei que sou apenas o segundo brasileiro aqui e sei quanto é difícil para um brasileiro atuar nesta posição na Rússia. Mas desejo ter mais oportunidades para mostrar meu trabalho mostrar para o Zenit que vale a pena optar por ficar comigo em definitivo. Claro que respeito a todos, mas o meu desejo é seguir aqui por muito tempo", disse.

Além destas limitações, Ivan tem de lidar também com um outro "adversário", o idioma. O goleiro costuma ser o que orienta o sistema defensivo. Por isso, tem aprendido algumas palavras básicas de movimento em russo. Mas conta qusa usa mais o inglês em campo.

"Venho aprendendo com o decorrer dos dias mais palavras em russo. Como tem muitos estrangeiros aqui, a gente se vira no inglês, russo, espanhol, português", afirmou.

Outra curiosidade é que até agora em suas duas partidas pelo Zenit, Ivan usou camisa verde. A cor é a de Guarani e Palmeiras, rivais de Ponte Preta e Corinthians, onde o goleiro atuou no Brasil.

"Teve muitos comentários em redes sociais, o pessoal brincou comigo sobre isso Mas isso já havia acontecido algumas vezes quando fui para a seleção brasileira olímpica", disse.

Nesta quinta-feira, o Zenit visita o Spartak pela terceira rodada da Copa da Rússia e Ivan mais uma vez deverá ser titular o time.