Coreia do Norte aumenta testes de mísseis e 'preocupa' EUA e Japão

·3 min de leitura
Coreia do Norte aumenta testes de mísseis em 2022. Foto da agência de notícias oficial da Coreia do Norte em um teste com míssil hipersônico lançado no dia 5 de janeiro de 2022
Coreia do Norte aumenta testes de mísseis em 2022. Foto da agência de notícias oficial da Coreia do Norte em um teste com míssil hipersônico lançado no dia 5 de janeiro de 2022. (Foto: North Korea's Korean Central News Agency / KCNA via REUTERS)
  • A Coreia do Norte aumenta testes de mísseis em 2022;

  • Seis mísseis já foram lançados nas três primeiras semanas do ano;

  • Estados Unidos e Japão seguem acompanhando de perto os movimentos militares;

Os testes de mísseis na Coreia do Norte se intensificaram nas três primeiras semanas de 2022.

O país lançou de um aeroporto próximo à capital Pyongyang mais dois projéteis na manhã da última segunda-feira (17). Na ocasião, o Japão também confirmou a realização do teste, e pontuou que foi o quarto lançamento pela Coreia do Norte em três semanas, totalizando seis mísseis.

Como apontam os dados, as tensões entre Coreia do Norte e Estados Unidos voltaram a aumentar em 2019 após um 2018 livre de testes.

Os líderes das nações da época, Donald Trump e Kim Jong-un reuniram-se em duas cúpulas a fim de interromperem os lançamentos. No entanto, o discurso não durou muito tempo, e tensão entre os países voltou a esquentar.

2019 foi palco de tantos mísseis quanto 2017, período em de demonstração da capacidade da Coreia de alcançar a América com os projéteis.

No entanto, vale ressaltar que os testes de mísseis intercontinentais, ou de médio e grande alcance ainda não foram retomados, como mostra o gráfico abaixo.

Gráfico compara o número de testes de mísseis realizados pela Coreia do Norte nos últimos anos. (Imagem: Statista/Reprodução Autorizada)
Gráfico compara o número de testes de mísseis realizados pela Coreia do Norte nos últimos anos. (Imagem: Statista/Reprodução Autorizada)

Vale ressaltar que a frequência de testes para o primeiro mês do ano é incomum. Os lançamentos costumam servir para o desenvolvimento de capacidade na área se mísseis e realizar a manutenção da prontidão operacional.

Na avaliação dos EUA, a Coreia do Norte pretende provavelmente "chamar a atenção" da comunidade internacional ao multiplicar o lançamento de mísseis. A afirmação partiu do chefe da diplomacia americana, Antony Blinken.

Estes testes, incluindo os dois realizados na semana passada, são "profundamente desestabilizadores", "perigosos" e "contrários" às resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, criticou o secretário de Estado em declarações ao canal MSNBC.

"Acho que parte disso tem a ver com a tentativa da Coreia do Norte de chamar atenção. Fizeram isso no passado e provavelmente vão continuar", acrescentou.

Nas redes sociais, o assunto repercutiu e diversas pessoas criticaram a postura do país asiático.

"Essa Coréia do Norte faz tantos disparos de testes de mísseis, que quando precisar, não vai ter mais nenhum", escreveu um.

"A Coréia do Norte tem que comprar comida para o seu povo, não ficar fazendo testes de mísseis", pontuou outro.

No entanto, houve também quem usou o espaço para criticar a postura dos Estados Unidos com relação a testes de mísseis.

“Todo dia os norte-americanos tacando terror em alguma nação acusando-as de que farão algo que eles fazem constantemente”, criticou um terceiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos