Coreia do Norte dispara artilharia e envia jatos perto da fronteira em meio à cooperação entre Coreia do Sul e EUA

Pessoas observam em Seul notícia sobre míssil norte-coreano

Por Soo-hyang Choi e Josh Smith

SEUL (Reuters) - A Coreia do Sul disse que mobilizou aviões de guerra em resposta a 180 voos militares norte-coreanos perto da fronteira compartilhada entre os dois países nesta sexta-feira, horas depois que a Coreia do Norte disparou cerca de 80 tiros de artilharia em protesto aos exercícios militares conjuntos de Seul com os Estados Unidos.

Aeronaves norte-coreanas foram detectadas em várias áreas ao norte da "linha de ação tática", que fica ao norte da Linha de Demarcação Militar entre as duas Coreias, de acordo com o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

Os voos ocorreram entre 11h e 15h do horário local. A linha virtual é traçada ao norte da fronteira militar e é usada como referência para as operações de defesa aérea sul-coreana, disse uma autoridade da Coreia do Sul.

Ele se recusou a fornecer a distância da linha virtual da fronteira, mas reportagens locais disseram que é de 20 a 50 quilômetros.

A Coreia do Sul enviou 80 aeronaves, incluindo caças F-35A, em resposta, enquanto cerca de 240 jatos participando dos exercícios aéreos Vigilant Storm com os Estados Unidos continuaram o treinamento, disseram os militares.

Um voo de 10 aviões de guerra norte-coreanos fez manobras semelhantes no mês passado, levando a Coreia do Sul a despachar jatos.

As manobras do vizinho do norte seguem o disparo de mais de 80 rodadas de artilharia durante a noite e o lançamento de vários mísseis no mar na quinta-feira, incluindo um possível míssil balístico intercontinental (ICBM).

A Coreia do Norte também disparou pelo menos 23 mísseis na quarta-feira, um recorde para um único dia.

A série de lançamentos levou os Estados Unidos e a Coreia do Sul a estender os exercícios de Vigilant Storm, o que irritou Pyongyang.

Reunidos em Washington, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, e o ministro da Defesa sul-coreano, Lee Jong-sup, se comprometeram a buscar novas medidas para demonstrar a "determinação e capacidades" da aliança após repetidas provocações norte-coreanas, de acordo com um comunicado conjunto entre os dois países.

Uma autoridade do governo dos EUA disse na quinta-feira que, embora o país venha dizendo desde maio que a Coreia do Norte está se preparando para retomar os testes nucleares pela primeira vez desde 2017, não está claro quando poderia realizar tal teste.

(Reportagem de Josh Smith)