Coreia do Norte exibe em desfile míssil balístico que pode ser lançado por submarino

·2 minuto de leitura
Uma bandeira norte-coreana em Pyongyang

A Coreia do Norte exibiu um míssil balístico que pode ser lançado por submarino em um desfile militar em Pyongyang nesta sexta-feira (quinta-feira, 14, no Brasil), noticiou a agência oficial KCNA, a poucos dias da posse de Joe Biden nos Estados Unidos.

O desfile aconteceu em comemoração ao congresso do Partido dos Trabalhadores (no poder), que não acontecia há cinco anos e no qual o líder norte-coreano Kim Jong Un afirmou que os Estados Unidos são "o principal inimigo" de seu país.

"A arma mais poderosa do mundo, o míssil balístico lançado de um submarino, entrou na praça, um após o outro, demonstrando fortemente o poder das forças armadas revolucionárias", disse a agência KCNA.

O desfile também exibiu foguetes com "poderosa capacidade de ataque para aniquilar totalmente os inimigos, de forma preventiva, fora do território", acrescentou o órgão oficial.

"As majestosas unidades de elite e as fileiras invencíveis da República que orgulhosamente cruzarão a praça Kim Il Sung representam nosso poder absoluto", disse o ministro da Defesa, Kim Jong Gwan, antes do desfile, de acordo com a mesma fonte.

Alguns especialistas acreditam que a Coreia do Norte está aproveitando o congresso do partido no poder para enviar uma mensagem ao próximo governo dos Estados Unidos, com a ideia de obter concessões.

Kim Jong Un e Donald Trump tiveram um relacionamento tumultuado, que foi de insultos e ameaças de guerra à realização de várias cúpulas diplomáticas nas quais o presidente americano elogiou o líder norte-coreano.

Mas, no final, pouco progresso foi feito nas conversas entre os dois países e o processo está paralisado desde o fiasco da última cúpula, realizada em Hanói em fevereiro de 2019, que tropeçou na espinhosa questão de suspender as sanções contra Pyongyang e os compromissos que o regime norte-coreano teria que assumir.

A mudança de governo nos Estados Unidos representa um desafio para a Coreia do Norte, já que Biden costuma ser associado à "paciência estratégica" demonstrada pelo governo Obama. Além disso, o presidente eleito chamou Kim de "valentão" durante os debates presidenciais.

slb/wat/jvb/af/am/mvv