Coreia do Norte lamenta condenação da ONU a lançamento de míssil intercontinental

O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte assegurou neste domingo (20), em nota, que "lamenta profundamente" a condenação do lançamento de um míssil intercontinental por parte do secretário-geral da ONU, António Guterres, reportou a agência estatal KCNA.

"Lamento profundamente a atitude deplorável do secretário-geral da ONU, que passou por cima dos propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas e de seu próprio papel de imparcialidade, objetividade e equidade em todos os assuntos", afirmou Choe Son Hui.

Além disso, o ministro norte-coreano tachou Guterres de "fantoche dos Estados Unidos".

O exército norte-coreano efetuou na sexta-feira o lançamento de um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês), que caiu nas águas da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Japão.

Este lançamento foi condenado por parte dos dirigentes ocidentais e de países vizinhos, como Japão e Coreia do Sul, além do secretário-geral da ONU.

Guterres instou Pyongyang a "desistir de imediato de realizar mais ações de provocação".

Depois que o líder norte-coreano, Kim Jong Un, dissera em setembro que seu país era um Estado nuclear "de forma irreversível", os Estados Unidos reforçaram a cooperação militar com Japão e Coreia do Sul, inclusive com o envio de um estratégico avião bombardeiro.

Em resposta, a Coreia do Norte efetuou vários lançamentos de mísseis de média e longa distância nas últimas semanas.

O Conselho de Segurança da ONU debaterá na segunda-feira os testes com mísseis feitos pelo exército norte-coreano.

Kim Jong Un supervisionou pessoalmente o lançamento do míssil na sexta-feira, acompanhado de sua filha, na primeira vez em que um dos herdeiros do líder norte-coreano aparece em um meio estatal.

bfm/dw/eb/ll/mvv/rpr