Coreia do Sul e China mantêm discordância sobre escudo antimíssil dos EUA e complicam conciliação

Interceptador do sistema de escudos antimísseis norte-americano THAAD em Seongju, na Coreia do Sul

Por Hyonhee Shin

SEUL (Reuters) - A China e a Coreia do Sul entraram em conflito nesta quinta-feira por causa de um escudo de defesa antimísseis dos Estados Unidos, ameaçando minar os esforços do novo governo em Seul para superar antigas diferenças sobre segurança.

A discordância sobre o sistema Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) instalado na Coreia do Sul surgiu após uma primeira visita aparentemente tranquila do ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul à China esta semana.

A China, alegando que o poderoso radar THAAD poderia espionar seu espaço aéreo, restringiu o comércio e as importações culturais depois que Seul anunciou sua implantação em 2016, causando um grande revés nas relações.

Uma autoridade graduada do gabinete presidencial da Coreia do Sul disse a repórteres nesta quinta-feira que o THAAD é um meio de autodefesa e nunca pode estar sujeito a negociações, depois que a China exigiu que a Coreia do Sul não implantasse mais baterias e limitasse o uso das existentes.

O presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, vendo o sistema como fundamental para combater os mísseis norte-coreanos, prometeu abandonar as promessas do governo anterior de não aumentar as implantações do THAAD e não participar de um escudo de mísseis global liderado pelos EUA ou criar uma aliança militar trilateral envolvendo também o Japão.

O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Park Jin, e seu colega chinês, Wang Yi, reunidos na terça-feira, exploraram maneiras de reabrir as negociações de desnuclearização com a Coreia do Norte e retomar as exportações culturais, como música e filmes K-pop, para a China.

Um porta-voz de Wang disse na quarta-feira que os dois "concordaram em levar a sério as preocupações legítimas um do outro e continuar a lidar com prudência e gerenciar adequadamente essa questão para garantir que ela não se torne um obstáculo para o crescimento sólido e constante das relações bilaterais".

O porta-voz chinês afirmou em um briefing que a implantação do THAAD na Coreia do Sul "mina o interesse estratégico de segurança da China".