A coroação de um novo monarca britânico

Apesar de Charles III ter sido oficialmente proclamado novo rei neste sábado(10), dois dias após a morte de Elizabeth II, a sua coroação só acontecerá em outra oportunidade. A cerimônia é altamente simbólica e requer tempo para a organização.

A coroação de um soberano britânico inclui uma série de rituais que remontam a séculos. A de Elizabeth II em 1953 foi realizada mais de um ano depois que ela se tornou rainha após a morte de seu pai George VI.

- Período de luto -

A coroação é independente do chamado Conselho de Ascensão, que se reuniu neste sábado no Palácio de Saint James para proclamar formalmente a ascensão do novo rei ao trono.

Durante a proclamação, o monarca, como chefe da Igreja da Inglaterra, fez um juramento declarando sua fé protestante e prometendo proteger a Igreja da Escócia.

Enquanto isso, os preparativos começaram para os 10 dias de luto oficial, já que o caixão da rainha Elizabeth II, coberto com a bandeira real, repousa no Castelo de Balmoral.

No domingo, ele viajará de Balmoral a Edimburgo e ficará na sala do trono do Palácio de Holyroodhouse antes de ser levado de avião para Londres na terça-feira.

- Cerimônia de coroação -

A cerimônia de coroação também acontece na Abadia de Westminster e é oficiada pelo Arcebispo de Canterbury, líder religioso da Igreja Anglicana.

O arcebispo apresenta o novo governante ao público e o soberano pronuncia o juramento de coroação.

Nele, redigido em 1688, o monarca jura solenemente governar o povo britânico de acordo com as leis aprovadas no Parlamento, aplicar a lei e a justiça "clemente" e "fazer o seu melhor" para preservar a Igreja e a religião anglicanas.

O arcebispo então unge o presidente com óleo consagrado e o abençoa no trono do rei Edward, construído em 1300 e usado em todas as coroações desde 1626.

O soberano finalmente recebe seus ornamentos reais, incluindo o cetro e a coroa, que é colocada pelo arcebispo.

Salvo decisão em contrário, e se o novo soberano for homem, sua esposa é proclamada rainha consorte e coroada, seguindo uma cerimônia semelhante, mas simplificada.

Ela se tornará rainha viúva (ou rainha mãe se a rainha viúva anterior ainda estiver viva) com a morte do rei, que será sucedido por seu primeiro filho, independentemente do sexo.

No caso de uma rainha ascender ao trono, seu marido não se torna rei e não recebe a santa unção.

Em um de seus últimos atos decisivos para a sucessão, a rainha Elizabeth II deu sua bênção para Camilla se tornar "rainha consorte", resolvendo uma questão de longa data sobre o tratamento da esposa de Charles.

- Convidados -

Em 1953, 8.251 convidados de 181 países e territórios participaram da coroação de Elizabeth II.

Entre eles estavam muitos representantes de monarquias estrangeiras, mas nenhum soberano europeu, respeitando uma tradição real.

Após a cerimônia, uma longa procissão acontece pelas ruas de Londres. Embora a Abadia de Westminster e o Palácio de Buckingham estejam a menos de 1,5 km de distância, a rota da procissão foi de 7,2 km em 1953 para permitir a participação do maior número de pessoas possível.

jwp/pc-tjc-acc/eg/jc