Coronavírus: Abertura de leitos públicos e privados em Niterói é incerta

Lívia Neder

NITERÓI - Sem divulgar há duas semanas a taxa de ocupação e o total de leitos com respiradores para tratamento de Covid-19 na rede municipal da cidade, o prefeito Rodrigo Neves prometeu ampliar em 40%, até o dia 16, a quantidade de leitos com respiradores nas redes pública e privada de Niterói. O anúncio foi feito em live na última quinta, sem detalhes de como seria implantado. No Portal da Transparência, só é possível identificar a aquisição de 30 respiradores comprados pela prefeitura de uma empresa chinesa, no dia 16 de abril.

De acordo com o último balanço feito pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde de Niterói e São Gonçalo (Sindhleste), os dez hospitais particulares da cidade que atendem pacientes em estado grave de síndrome respiratória aguda contavam, na terça, com apenas 13 UTIs disponíveis para Covid-19. Dos 229 leitos com respiradores, 94% estavam ocupados.

Afirmando que os hospitais particulares de Niterói também estão recebendo pacientes de municípios vizinhos mais afetados pela pandemia, o Sindhleste destaca, que as unidades, na medida do possível, estão empenhadas em preparar novos leitos, caso a demanda aumente. No entanto, a entidade não garantiu que essa ampliação será até o dia 16, como prometeu o prefeito. O sindicato lembra que não depende somente dos hospitais, e sim dos fornecedores de aparelhos como respiradores.

Dados desatualizados

O cenário atual da rede municipal, no entanto, é desconhecido. No dia 23 de abril, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) informou que tinha um total de 53 leitos de CTI com respiradores para Covid-19, sendo 40 no Hospital Oceânico e 13 no Hospital Municipal Carlos Tortelly. Na ocasião, 18 pacientes estavam internados e a taxa de ocupação era de 34%. Desde então, a FMS não responde mais aos questionamentos do GLOBO-Niterói sobre atualização de ocupação e a aquisição de equipamentos para novos leitos.

Presidente da Comissão de Saúde e Bem-Estar da Câmara, o vereador Paulo Eduardo Gomes (PSOL) enviou, na quarta-feira, um ofício à administração municipal cobrando informações acerca da aquisição dos respiradores. Em sua justificativa, o parlamentar lembra que a prefeitura anunciou que, neste primeiro momento, o Hospital Oceânico —arrendado para atender exclusivamente pacientes vítimas do novo coronavírus —já está funcionando com 40 leitos de UTI e que esses leitos seriam ampliados para 75 ainda este mês e, finalmente, para 140, que seria sua capacidade total, em meados de junho.

— No Portal da Transparência somente foi possível identificar a aquisição de 30 respiradores. Queremos saber quantos o município játinha antes da pandemia e quantos foram adquiridos para a utilização nos leitos destinados ao tratamento de Covid-19, informando quantos foram efetivamente entregues. Com a impossibilidade de comparecer nas unidades hospitalares para fiscalizar, precisamos contar com uma transparência maior da prefeitura. Apoiamos o planejamento inicial. Se o município tem encontrado dificuldades, queremos saber quais são para tentar ajudar— diz.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)