Coronavírus ameaça cerca de 20 milhões de empregos na África

(Arquivo) Funcionário da Airports Company South Africa (ACSA) usa máscara facial como medida preventiva contra a COVID-19, no aeroporto internacional O.R. Tambo, em Joanesburgo

A epidemia de coronavírus ameaça o continente africano com a perda de milhões de empregos, um aumento da dívida e uma queda nas remessas, informou a União Africana em um relatório divulgado nesta segunda-feira (06).

"Cerca de 20 milhões de empregos, tanto no setor formal quanto no informal estão ameaçados de destruição no continente se a situação continuar", diz o estudo.

O relatório afirma que os países que dependem do petróleo e do turismo podem ser os mais atingidos.

O estudo de 35 páginas esboça dois cenários de acordo com a trajetória da pandemia: um "realista", no qual a pandemia dura até julho, e a África "não se veria muito afetada"; e outro "pessimista", com a epidemia se estendendo até agosto, o que geraria consequências mais graves para o continente.

O primeiro cenário causaria uma queda na economia africana de 0,8% e o segundo um retrocesso de 1,1%. Ambos os casos passam longe do crescimento de 3,4% previsto pelo Banco de Desenvolvimento africano antes do surgimento da COVID-19.

Até esta segunda-feira, foram registrados 9.198 casos de COVID-19 nos 51 países africanos, segundo o Centro africano de controle e prevenção de doenças.

Embora o continente africano até agora tenha sido menos afetado do que a China, o sul da Europa e os Estados Unidos, sofre as consequências econômicas devido às relações comerciais que mantém com as regiões mais afetadas do mundo. Seu comércio pode cair em 35%.

Além disso, a queda do preço do petróleo vai afetar intensamente Nigéria e Angola. Por sua vez, as restrições de viagem podem custar ao setor do turismo africano "pelo menos 50 bilhões de dólares", de acordo com o estudo.

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, pediu no mês passado aos líderes do G20 que ajudem a África a superar as consequências da pandemia, aliviando ou cancelando as dívidas, além de fornecer um fundo de emergência de US $ 150 bilhões. A dívida externa africana totaliza US $ 236 bilhões.