Coronavírus: Após reunião com presidente da Rio Ônibus, Crivella mantém frota circulando

O prefeito Marcelo Crivella em entrevista

O prefeito Marcelo Crivella anunciou que a frota de ônibus do Rio não vai parar de circular em meio à crise do coronavírus. A decisão foi tomada após uma reunião com o presidente da Rio Ônibus, Cláudio Callak. De acordo com a Prefeitura, o objetivo do encontro era tratar dos impactos da queda de demanda no transporte público da cidade. Crivella anunciou, ainda, que vai pedir ao governo federal que subsidie os salários dos motoristas que estão sem trabalhar, uma vez que o município não tem recursos em caixa para arcar com a despesa.

— Temos 5,5 mil ônibus na cidade e hoje estamos rodando com 2 mil porque a demanda caiu muito. Nestes 2 mil, também pedimos que as pessoas não andem em pé. Só sentados. Portanto, a rentabilidade dos ônibus caiu demais. Estes 3,5 mil ônibus que não estão rodando têm motoristas e nós precisamos pagar salário. Como o município não tem recurso, estamos pedindo ao governo federal que nos ajude nesse momento de crise devido à pandemia — disse.

O prefeito solicitou também que o Planalto libere o FGTS dos trabalhadores que mais sofrem financeiramente por conta da pandemia. Nesta quinta-feira, Crivella oficializou a liberação das lojas de material de construção e de lojas de conveniência de postos de gasolina.

Alinhado ao último discurso do presidente em rede nacional e pressionado por vereadores da base, o prefeito defendeu que as medidas de isolamento social não podem durar muito devido às consequências econômicas e sociais que podem gerar para a economia do país. Em contrapartida, o prefeito prorrogou por mais duas semanas o recesso na rede municipal de ensino para conter o avanço da doença.