Coronavírus: Bolsonaro diz que Exército vai ampliar produção de cloroquina

Gabriel Shinohara
Cloroquina, medicamento contra doenças autoimunes, está em falta em todas as farmácias do Rio.

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado que os laboratórios químicos e farmacêuticos do Exército vão ampliar a produção de cloroquina, droga que está sendo testada para o tratamento do Covid-19, o coronavírus.

Em vídeo publicado nas redes sociais, o presidente disse que conversou com o ministro da Defesa e, juntos, tomaram a decisão.— Agora pouco me reuni com o senhor ministro da Defesa, onde decidimos que o laboratório químico e farmacêutico do Exército deve imediatamente ampliar a sua produção desse medicamento — afirmou.

Infográfico: Os números do coronavírus no Brasil e no mundoO uso da droga para o tratamento do coronavírus está em fase experimental, mas estudos publicados em revistas científicas nos Estados Unidos, França e China apontam que ela pode ser eficaz no tratamento.

Siga no Twitter: Força-tarefa do GLOBO divulga as principais notícias, orientações e dicas de prevenção da doençaNo mesmo vídeo, o presidente disse que foi informado por técnicos do hospital Albert Einstein que eles iniciaram um protocolo de pesquisa para avaliar a eficácia do medicamento no tratamento da Covid-19.O Ministério da Saúde está avaliando se vai permitir o uso da droga para pacientes graves. O ministro, Luiz Henrique Mandetta, aguarda um parecer de um grupo de especialistas que estão sendo coordenados pela Secretaria de Ciência e Tecnologia da pasta.Os remédios do cloroquina e hidroxicloroquina são indicados para lúpus, artrite, malária e outras enfermidades, mas, segundo experimentos ainda inconclusivos, poderiam ser efetivos para tratar a Covid-19, doença provocada pelo novo vírus. Se houver adoção, deve ocorrer de forma experimental.

A divulgação de estudos apontando para a eficácia da cloroquina, amplificada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, levou a uma corrida de brasileiros para farmácias. O remédio sumiu de prateleiras em várias regiões do país, levando à Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) a restringir a venda da droga para pacientes com receitas pelos próximos 30 dias. Além disso, a exportação também foi proibida.