Coronavírus: como hipertensos e cardíacos devem se cuidar? Cardiologista reponde

Ana Lucia Azevedo

Pacientes com doenças coronarianas, hipertensos, portadores de doenças cardíacas em geral, junto com os diabéticos, têm maior risco de desenvolver quadro grave da Covid-19, segundo estudos na China. Pesquisadores observaram que, em pacientes internados, o vírus podia atingir o coração e provocar arritmias, isquemia miocárdica, miocardite e choque.

No Brasil, a primeira vítima do novo coronavírus — um porteiro de 62 anos, em São Paulo—, tinha doenças pré-existentes, como diabetes e hipertensão.

Por isso, médicos reforçam a recomendação de que esse grupo fique em casa e se isole imediatamente em caso de sinais respiratórios. O cardiologista Cláudio Domênico ressalta que evitar o contato social é a melhor medida de prevenção.

Ele alerta que os pacientes não devem, de forma alguma, interromper o uso de medicamentos conhecidos como inibidores de enzima conversora de angiotensina (IECA) e bloqueadores de receptores de angiotensina (BRA), sem consultar um médico.

Essas classes de drogas têm emprego no tratamento de insuficiência cardíaca e no controle da hipertensão. São remédios de amplo uso, como captopril, losartana e enalapril.

Uma série de estudos recentes sugere que essas drogas poderiam agravar a Covid-19. Mas tanto a Sociedade Brasileira de Cardiologia quanto as demais sociedades internacionais da área não recomendam a interrupção sem prescrição.

— Esses estudos são preliminares e esses medicamentos fundamentais para o paciente cardíaco e os hipertensos de forma geral controlarem a doença. Interromper o uso agravará a condição que já têm e aumenta o risco de infarto e outros problemas graves — afirma Domênico.

Segundo ele, a aspirina também não deve ser descontinuada sem que um médico mande, a não ser em caso de dengue.

A recomendação é que se o paciente apresentar sinais de infecção respiratória, deve ligar para o médico para orientações. E só deve ir ao hospital se realmente tiver um quadro de agravamento de infecção respiratória, como falta de ar.

Nesse caso, deve ir direto para a emergência:

— Neste momento, essas pessoas têm que ficar em casa. Ir ao médico aumenta o risco de contrair o vírus. Só saia de casa se realmente tiver sinais de agravamento. Aí, a orientação é buscar a emergência — diz o médico.

Outra orientação é tomar a vacina contra a gripe. A campanha nacional começa em 23 de março. O cardiologista ressalta o cuidado em não cair na cilada das fake news:

— Fake news em saúde pode matar. Não confie no que lê nas redes sociais e grupos de Whatsapp —, destaca.