Coronavírus: Consumo de álcool nos EUA sobe 55%, e o de drogas para 33% durante a pandemia

Marjoriê Cristine
(Foto: Getty Images)

O isolamento social nos Estados Unidos trouxe um novo problema para o país, que lidera o quadro de mortos e infectados pelo coronavírus no mundo. A medida que o estressa aumenta durante a quarentena, os americanos passaram a consumir mais álcool e drogas, segundo uma pesquisa nacional.

De acordo com os estudos da "The Recovery Village", uma rede de instalações de tratamento de dependência da Flórida,  houve um aumento "esperado" no uso de substâncias durante a pandemia, sendo que 55% dos entrevistados passaram a consumir mais bebidas alcoólicas no último mês. Quando se tratava de drogas ilícitas, 36% dos americanos relataram aumento do uso de maconha e opioides prescritos, entre outros.

"Os especialistas já começaram a expressar preocupações sobre os efeitos secundários que os EUA ainda não viram no Covid-19. Houve o aumento das taxas de dependência depois do estresse do isolamento, do tédio, da diminuição do acesso a recursos de recuperação e com o desemprego", relatam os pesquisadores.

Leia também

Cerca de 1000 americanos, com 18 anos ou mais, foram entrevistados no país sobre o uso de drogas e álcool no último mês, segundo o The Recovery Village. O objetivo era ajudar os especialistas em saúde comportamental e vício a entender melhor como a crise do coronavírus está afetando o uso de substâncias. O estudo descobriu que o álcool era a substância preferida entre os entrevistados, com 88% relatando beber no mês passado. A maconha foi a segunda mais comum e citada por 37% das pessoas, seguido pelos opioides prescritos, com 15%.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Outros medicamentos utilizados pelo público  incluem benzodiazepínicos, como o medicamento antiansiedade Xanax; Adderall e estimulantes similares da prescrição; e cocaína, de acordo com a pesquisa.

NY e New Jersey lideram pesquisa

Ainda conforme o relato, o crescimento no consumo de álcool foi de 67% nos estados mais atingidos pelo coronavírus, incluindo Nova York e Nova Jersey. Os resultados da pesquisa mostram que quase 30% dos entrevistados dessas áreas afetadas disseram que o consumo de álcool aumentou "significativamente" no mês passado.

Desde o início da pandemia, também houve um aumento nas vendas e entregas de álcool, com 42% dos americanos bebendo no trabalho enquanto trabalham em casa, informou a "McClatchy News", citando um relatório da Fishbowl. Com o aumento do consumo de álcool, também aumentou o número de chamadas para centros de tratamento de dependência, informou o jornal "USA Today" no início deste mês.

"O uso de drogas ou álcool para lidar com as circunstâncias da vida, como estresse ou tédio, pode se tornar um hábito que leva a um transtorno pelo uso de substâncias. Quando os indivíduos usam drogas ou álcool na tentativa de automedicar e lidar com os sintomas de um distúrbio de saúde mental, eles podem desenvolver um distúrbio de uso de substâncias que co-ocorre", de acordo com o The Recovery Village. "

Em meio à pandemia, a pesquisa também constatou que muitos entrevistados usavam drogas ou álcool "por motivos recreativos, para tratar a dor ou porque fazia parte de sua rotina diária, como tomar uma bebida no jantar". A margem de erro do relatório foi de 3%, disse The Recovery Village à "McClatchy News".

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.