Coronavírus: cruzeiro americano é impedido de atracar na costa do Japão

Um navio da empresa de transporte marítimo Princess Cruises está parado na costa do Japão, impedido de atracar há pelo menos 24 horas, por causa do coronavírus, de acordo com a emissora americana CNBC.

As vistorias pelo cruzeiro, chamado Princess Diamond, começaram depois que um hóspede — que não apresentou sintomas de coronavírus durante sua estadia — teve diagnóstico positivo para a doença seis dias após deixar o navio.

Agora, autoridades japonesas estão examinando os 3,7 mil hóspedes e tripulantes do Princess Diamond, que retornaria a Yokohama, no Japão, nesta terça-feira.

“A Princess Cruises confirmou que o retorno do Diamond Princess foi adiado por aproximadamente 24 horas para permitir às autoridades de saúde pública do Japão a oportunidade de avaliar o estado de saúde de todos os convidados e equipe a bordo”, afirmou a empresa, em comunicado.

EUA têm segundo caso de transmissão de pessoa para pessoa

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA anunciaram nesta segunda-feira um segundo caso de transmissão do novo coronavírus nos Estados Unidos e forneceram planos mais detalhados sobre como o país lidará com os viajantes que retornam da China. Os EUA trabalham para limitar o surto.

— Esperamos ver mais casos de disseminação de pessoa para pessoa — disse Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional de Imunização e Doenças Respiratórias do CDC, durante uma teleconferência que incluiu a confirmação de alguns casos novos, trazendo o total dos EUA para 11.

Messonnier ofereceu novas informações sobre a implementação da proclamação presidencial emitida na sexta-feira, suspendendo a entrada de estrangeiros que visitaram a China nos últimos 14 dias nos Estados Unidos, incluindo detalhes sobre planos de quarentena.

Isentos dessa ordem estão membros da família de cidadãos dos EUA e residentes permanentes legais, apesar de enfrentarem uma quarentena de 14 dias se estivessem em Wuhan ou na província de Hubei, na China, o epicentro da epidemia.

Passageiros foram impedidos de descer de navio

Na semana passada, quase 7 mil pessoas, incluindo 6 mil passageiros, ficaram bloqueadas em um navio no porto italiano de Civitavecchia, perto de Roma, por casos suspeitos da doença a bordo.

— O ministério da Saúde nos alertou sobre possíveis casos e enviou três médicos a bordo para realizar os exames prévios — informou à AFP uma porta-voz do centro de saúde de Civitavecchia.

Os primeiros exames realizados na passageira, no entanto, teriam descartado que ela tenha contraído o coronavírus, segundo pessoas ligadas ao Ministério da Saúde italiano.

O número total de mortes por epidemia de coronavírus na China chegou a 362. Uma morte também foi registrada nas Filipinas. Ao todo, as ocorrências confirmadas na China continental são 17.220.

O Ministério da Saúde brasileiro informou nesta segunda-feira que há 15 casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil, enquanto outros 11 já foram descartados. Um caso de São Paulo foi descartado, mas outro do Rio de Janeiro foi incluído entre os suspeitos. Nenhum foi confirmado até o momento.