Coronavírus e desaceleração mundial afetam cotação do dólar, diz Guedes

Gustavo Schmitt

SÃO PAULO — A despeito da alta do dólar nesta quinta-feira, que atingiu novo recorde de R$ 4,662 no início da tarde mesmo após intervenções do Banco Central, o ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou o patamar da moeda americana como "normal" e afirmou que o câmbio é "flutuante" e que sua flutuação agora será num nível mais alto. Para o ministro, a crise do coronavírus e a possível desaceleração da economia mundial explicam parte desse movimento.

— Lembra o câmbio flutuante? Que flutuava entre R$1,80 ou R$ 2,20 ? A flutuação dele agora é num nível mais alto: R$ 3,60, R$ 4,60. Não sabemos. É o câmbio flutuante. Só que ele flutua num patamar mais alto. É simplesmente Isso — afirmou o ministro, que participou de uma reunião com empresários na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista, junto com o presidente Jair Bolsonaro.

Questionado se a moeda americana poderia chegar a R$ 5, Guedes afirmou que isso só seria possível se fosse feita "muita besteira".

— Isso aí era perfeitamente previsível. Pô. Mas tá indo para R$ 4,30 ou R$ 4,40, tem o coronavírus, a desaceleração da economia mundial (...). Se fizer muita besteira ele pode ir pra esse nível. Se fizer muita coisa certa, ele pode descer.

O ministro frisou que a agenda de reformas precisa ser implementada para acalmar a moeda americana. No entanto, em ano eleitoral, como em 2020, a tramitação dessas propostas no Congresso costuma ser mais lenta.

— Claro que quanto mais rápido você apresentar as reformas, mais rápido você recupera a confiança e o dólar acalma. Preocupa o nível? Quando sobe rápido preocupa. Por isso que o Banco Central vende um pouco. Mas é natural — disse.