Coronavírus: governo chinês instala câmeras em residências para monitorar população durante quarentena

Extra, com informações da CNN

Em meio à pandemia do novo coronavírus, chineses têm reportado a instalação de câmeras do lado de foram de suas residências em diversas regiões do país. Autoridades já confirmaram que os dispositivos têm o objetivo de monitorar  rotina de cidadãos em locais onde foram impostas medidas de isolamento social.

O governo em Nanjing, província de Jiangsu, afirmou que instalou câmeras do lado de fora das residências para monitorá-las 24 horas por dia, uma medida que "ajudou a economizar custos com funcionários e aumentar a eficiência de trabalho”, de acordo com uma publicação de 16 de fevereiro no Weibo, a rede social mais usada no país.

Na província de Hebei, o governo do condado de Wuchongan, na cidade de Qianan, também disse estar usando câmeras de vigilância para monitorar moradores em quarentena em suas casas, de acordo com um comunicado em seu site. Já na cidade de Changchun, na província de Jilin, câmeras instaladas no distrito de Chaoyang contam com inteligência artificial para detectar formas humanas, disse o governo em seu site.

Há anos a China é reconhecida como um dos países mais vigados do mundo. Em 2018, foi registrado que o governo havia instalado mais de 170 milhões de câmeras no território e estima-se que esse número tenha chegado a 626 milhões em 2020.

Também por meio do Weibo, residentes publicaram fotos do equipamentos e reclamaram da falta de privacidade causada pelas medidas.

- Estamos perdendo cada vez mais a nossa privacidade. Parece apenas uma captura massiva de dados e não sei quanto disso é realmente legal -  disse à "CNN" Ian Lahiffe, que encontrou uma câmera de vigilância instalada na parede do lado de fora do apartamento onde vive.

O funcionário público William Zhou, contou à CNN que em fevereiro, quando voltou para sua casa em Changzhou, na província oriental de Jiangsu, um agente comunitário e um policial chegaram ao seu apartamento e colocaram uma câmera apontada para a porta do prédio. O homem conta que o mesmo ocorreu com outros vizinhos.

- Isso teve um grande impacto em mim psicologicamente. Tentei não fazer ligações, temendo que a câmera gravasse minhas conversas. Eu não conseguia parar de me preocupar, mesmo quando adormecia - conta.

Há também quem esteja a favor do governo e defenda a medida. Uma usuária do Weibo, que ficou de quarentena após retornar a Pequim da província de Hubei, disse quea associação do bairro onde vive avisou antecipadamente que uma câmera e um alarme seriam instalados em sua porta da frente.

- Eu respeito e entendo completamente a medida - escreveu ela.