Coronavírus: Governos destinam US$ 54 bilhões para conter epidemia e reduzir impactos econômicos

Foto: AP Photo/Ahn Young-joon

Os casos confirmados do novo coronavírus (COVID-19) ainda estão concentrados na China, mas já foram registrados em mais de 80 países, espalhando pânico e prejuízos em várias partes do mundo. Já são quase cem mil casos, com mais de 3 mil mortos. Setores como aviação civil, turismo e serviços em geral estão sendo duramente impactados pelo temor das pessoas. Para combater a epidemia, governos já destinaram, ou estão considerando, medidas que superam US$ 54 bilhões, informa a agência Bloomberg.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Os pacotes se concentram em países asiáticos, os mais afetados pelo novo vírus surgido na China. Na Europa, a Itália, que já confirmou mais de 3 mil casos, concentra os esforços, com a destinação de US$ 8,4 bilhões para a criação de um fundo. Nos EUA, os deputados aprovaram a liberação de US$ 7,8 bilhões. Além do combate direto à doença, as medidas incluem incentivos fiscais, facilitação de empréstimos e até o pagamento direto para a população, como em Hong Kong.

Leia também:

Conheça as medidas de apoio criadas pelos países:

China

Autoridades sinalizaram com uma política fiscal “mais proativa”, junto com outras medidas já anunciadas para amortecer a economia e apoiar os mercados financeiros. São esperados cortes de impostos direcionados, aumento nas quotas dos governos locais em títulos especiais e mais transferências fiscais do governo central para regiões mais afetadas pelo coronavírus.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Japão

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, se comprometeu a tomar medidas econômicas, se necessárias. A assessoria do governo estima em 5 trilhões de ienes, o equivalente a US$ 47 bilhões, os gastos extras necessários para aliviar os impactos financeiros do vírus.

Coreia do Sul

O país já destinou 11,7 trilhões de wons, ou US$ 9,9 bilhões, a um orçamento especial destinado à resposta médica e ao apoio a negócios e famílias impactadas pela epidemia, com incentivos fiscais e aluguéis subsidiados.

Austrália

O ministro das Finanças, Josh Frydenberg, afirmou que o governo está preparando incentivos de bilhões de dólares australianos para ajudar negócios impactados pela epidemia.

Indonésia

Um pacote de estímulo de 10,3 trilhões de rupias, o equivalente a US$ 727 milhões, foi criado com incentivos fiscais, subsídios para governos locais e reforço dos fundos de previdência social. Um segundo pacote, de maior valor, está sendo montado para ajudar os trabalhadores de classe média.

Tailândia

Mais de 100 bilhões de bates, ou US$ 3,2 bilhões, em estímulos estão sendo considerados, incluindo empréstimos com juros menores e medidas tributárias para incentivar o mercado de ações a distribuição de renda. Os recursos devem ser acrescentados ao orçamento recém-aprovado de 640 bilhões de bates em investimentos.

Cingapura

O governo alocou 6,4 bilhões de dólares de Cingapura, algo em torno de US$ 4,6 bilhões, no orçamento anual para resposta à epidemia e apoio a negócios e consumidores. Deste montante, 800 milhões de dólares de Cingapura irão para o combate direto ao vírus, com a maior parte para o Ministério da Saúde.

Hong Kong

Um pacote de 120 bilhões de dólares de Hong Kong, ou US$ 15 bilhões, foi inserido no orçamento anual. Entre as medidas está o pagamento de 10 mil dólares de Hong Kong, cerca de US$ 1,3 mil, para cada residente maior de 18 anos.

Malásia

O país alocou no orçamento um pacote de estímulos de 20 bilhões de ringuites, ou US$ 4,8 bilhões. Os gastos irão focar no apoio a negócios, especialmente os voltados ao turismo, além da redução da contribuição para pensão mínima, extensão dos prazos para pagamentos de impostos e melhorias na infraestrutura.

Itália

O governo já destinou 7,5 bilhões de euros, cerca de US$ 8,4 bilhões, para responder à epidemia. O ministro das finanças, Roberto Gualtieri, prometeu apresentar o pacote de estímulos na semana que vem, com fundos para suspender o pagamento de empréstimos por empresas impactadas pela epidemia e recursos para a saúde e serviços de emergência.

França

O governo pretende afrouxar os impostos para negócios como restaurantes, hotéis e empresas de ônibus, assim como garantir empréstimos para pequenas e médias empresas.

EUA

O Congresso aprovou a liberação de US$ 8,3 bilhões para a criação de um fundo de resposta à epidemia. Destes, mais de US$ 3 bilhões irão para pesquisas para o desenvolvimento de vacinas, kits de teste e tratamentos.