Coronavírus: hospital de campanha diminui taxa de ocupação da rede municipal, mas fila de pacientes cresce

Lucas Altino
RI Rio de Janeiro (RJ) 01/05/2020 - Prefeito Marcelo Crivella inaugura Hospital de Campanha do RIOCENTRO. Foto Fabiano Rocha / Agência O Globo

RIO - Pela primeira vez nas últimas duas semanas, a prefeitura do Rio está com uma taxa de ocupação de seus leitos destinados a Covid-19 abaixo dos 90%. Isso se explica pela abertura de 100 leitos no hospital de campanha do Riocentro, nesta sexta, e que ainda não foram ocupados. Por isso, atualmente o município possui 577 leitos reservados para pacientes com Coronavírus, e 486 internadas, sendo 139 em UTI. Ou seja, 84% de ocupação.

Reforço do isolamento: href="https://oglobo.globo.com/rio/coronavirus-profissionais-da-saude-fazem-protesto-em-diversos-pontos-da-cidade-1-24405634">Profissionais da saúde fazem protesto em diversos pontos da cidade

Já considerando toda a rede SUS, ou seja, adicionando as unidades estaduais e federais, a ocupação é de 92% em UTI e 93% em enfermarias destinadas ao tratamento do vírus. Por causa do Coronavírus, são 1254 hospitalizados, sendo 376 em UTI. Atualmente, há 396 pessoas aguardando uma vaga de UTI na rede pública.

Vagas fechadas: href="https://oglobo.globo.com/rio/coronavirus-comissao-encontra-leitos-vazios-poucos-metros-de-pacientes-que-esperam-em-corredores-por-vagas-24406001">Comissão encontra leitos vazios a poucos metros de pacientes que esperam em corredores por UTIs

Nesta sexta-feira, o hospital de campanha do Riocentro foi inaugurado com a oferta inicial de 100 leitos para pacientes de Covid-19 e com previsão de abertura das 400 vagas restantes após a chegada dos equipamentos comprados, ainda na primeira quinzena de maio. Até o início da noite, porém, não havia notícia de paciente transferido para a nova unidade. As transferências dependem de questões burocráticas, por isso, nem sempre os procedimentos são rápidos. No entanto, no início do dia, a prefeitura informava 477 internados por Covid na rede, número que subiu para 486 na atualização das 18h.

Já a Secretaria estadual de Saúde informou que, em sua rede como um todo, incluindo leitos não reservados para Covid, a ocupação é de 74% dos leitos de enfermaria e 85% dos leitos de UTI. Há pouco mais de duas semanas, as taxas eram de 41% e 63%, respectivamente. Ao todo, 2.341 pacientes estão internados na rede estadual.

Com exceção do Hospital Regional Zilda Arns (cujas taxas de ocupação são de 85% na enfermaria e 86% na UTI) e do Hospital de Campanha Lagoa-Barra, onde há quatro vagas, todos os outros leitos destinados para a Covid estão ocupados. A abertura de vagas ocorre por altas, óbitos, além de reservas técnicas de leitos para pacientes já internados que possam agravar o quadro clínico, necessitando de UTIs.O próximo hospital de campanha a ser inaugurado pelo governo estadual deverá ser o do Maracanã, que terá 400 leitos, 80 deles de UTI, nos primeiros dias de maio. Os demais 1.400 leitos em outros sete hospitais de campanha e uma estrutura modular serão inaugurados de forma gradativa no ao longo do mês de maio, de acordo com a evolução da pandemia.

Até esta sexta-feira, foram notificados 10.166 casos confirmados e 921 óbitos por Covid-19 no estado. Há ainda 311 óbitos em investigação e 146 foram descartados.