Coronavírus: Israel impõe quarentena a todos os viajantes que entrarem no país

O Globo, com agências internacionais

JERUSALÉM - Israel exigirá que todos os cidadãos que retornam do exterior se coloquem em auto-quarentenem por 14 dias como precaução contra a propagação do coronavírus, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nesta segunda-feira, uma medida que os assessores disseram que entraria em vigor imediatamente .

"Qualquer pessoa que chegue a Israel do exterior entrará em isolamento por 14 dias" disse Netanyahu em comunicado, acrescentando que a medida entrará em vigor por duas semanas, inicialmente.

"Esta é uma decisão difícil. Mas é essencial para proteger a saúde pública, e a saúde pública vem em primeiro lugar".

Israel já havia tomado algumas das precauções mais extremas para evitar um surto de coronavírus local, forçando visitantes de muitos países da Ásia e Europa — principalmente Chiba, Itália e França — ao isolamento doméstico. Isso havia dificultado as viagens e o comércio, com o turismo sofrendo.

A mídia israelense disse que, na quinta-feira, os estrangeiros só seriam admitidos se pudessem provar que têm meios de se colocar em quarentena.

A mídia israelense disse que a medida significaria quarentena para cerca de 300.000 cidadãos em um país de cerca de 9 milhões.

Até agora, as autoridades israelenses relatam 42 casos de novos coronavírus em seu território.

Por seu lado, as autoridades palestinas confirmaram 25 casos da doença de COVID-19 nos territórios palestinos e decretaram em 5 de março o estado de emergência sanitária por 30 dias.

Essas medidas de contenção ocorrem um mês antes da Páscoa judaica, que este ano será 8 de abril. Normalmente, dezenas de milhares de judeus no mundo vêm a Israel para celebrar este feriado religioso.

Desde o surgimento do novo coronavírus em dezembro passado, 113.255 pessoas foram infectadas, das quais 3.964 morreram em 101 países e territórios, segundo um balanço da AFP.