Coronavírus: Jovens de comunidades gravam vídeos orientando sobre prevenção

Geraldo Ribeiro
Primeiro caso na Cidade de Deus acende alerta nas favelas

RIO - A confirmação do primeiro caso de contaminação pelo novo coronavírus na Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, acendeu o alerta nas comunidades, que por conta própria já vinham adotando algumas medidas de prevenção. Um projeto da Agência Redes Para a Juventude, que atua em 15 localidades, estimulou os jovens dessas regiões da cidade a gravarem vídeos com seus familiares falando da prevenção. As imagens começaram a ser divulgadas neste domingo, atráves de grupos de WhatsApp. A intenção é que viralizem para atingir o maior número possível de moradores.

— A cada semana a gente vai pensar numa estratégia diferente para ver como contribuir. Nessa primeira semana, achamos importante fazer as pessoas acreditarem que elas precisam se prevenir. Foi para isso que a buscamos juntar o jovem com sua família. Para mostrar que é importante essa unidade de gerações nesse momento — explicou Marcus Faustini, idealizador da Agência Redes Para a Juventude.

O passo seguinte, segundo Faustini, será cobrar das autoridades um plano de ação para as comunidades, que privilegie quatro pontos considerados fundamentais por ele: prevenção, atendimento rápido, plano de assistência social para as famílias que vivem na informalidade e uma participação democrática das associações de favelas nas tomadas de decisões de governo.

Num primeiro momento estão sendo produzidos 50 vídeos.Os primeiros videos divulgados foram gravados por jovens da Vila Kennedy, Parque Columbia e Honório Gurgel. Um deles foi feito pela estudante de serviço social, Carol Dupré, de 25 anos. Nas imagens, a moradora da Vila Kennedy, na Zona Oeste, aparece acompanhada do padrasto, o camelô Paulo Roberto de Freitas, falando sobre a importância de manter a higienização das mãos.

— A nossa participação é importante porque a gente tem a credibilidade dos moradores, que nos conhece desde que nascemos — afirmou a jovem que também iniciou na comunidade, na semana passada, uma campanha de doação de sabonetes, material de limpeza, higiene e alimentatos para distribuir na comunidade.

Pesquisa:Datafolha: 73% aprovam quarentena e 74% têm medo de ser infectados pelo coronavírus

Na Cidade de Deus, onde a Secretaria municipal de Saúde confirmou neste sábado o primeiro caso de contágio, a associação de moradores também intensificou a campanha de conscientização junto aos moradores. Carros de som têm circulado ns ruas alertando sobre a necessidade de prevenção. O mesmo tipo de mensagem está sendo disparado pelas redes sociais, com o intuito de atingir o maior número possível de moradores.

— O pessoal está temeroso depois da confirmação desse primeiro caso — afirmou Cesário Soares, presidente da associação, que cobra maior assistência por parte do governo — Não quero ser leviano. A gente sabe que é uma situação nova para todos, inclusive as autoridades, mas é preciso adotar medidas urgentes.

A preocupação maior do líder comunitário é com a falta de vaga nos hospitais. Ele disse que as opções mais próximas para os moradores da Cidade de Deus são os hospitais Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e o Cardoso Fontes, na subida da Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá. Ele sugere que o governo pense na possibilidade de instalar hospitais de campanha próximo as grandes comunidades.

Risco:Caso confirmado de Covid-19 na Cidade de Deus acende alerta sobre chegada da doença às favelas

A Central Única das Favelas (Cufa) vai lançar neste domingo um vídeo para estimular a conscientização dos moradores das favelas e periferias. A campanha “Favela Contra o Vírus”, tem direção geral de Celso Athayde e irá para as redes sociais, através de uma música composta a quatro mãos por Dudu Nobre, Edi Rock, do Racionais MCs; Dexter e Ivo Meirelles.

Além dos quatro, o clipe conta com também com a participação de grandes nomes da música brasileira como Xande de Pilares, Mumuzinho, Alcione, Péricles, Ferrugem, Karol Conka, Leo Santana, Sandra de Sá, Grupo Bom Gosto, Sérgio Loroza , Pretinho da Serrinha, Andrezinho do Molejo entre outros. A ideia é mostrar aos moradores das favelas e periferias que, com gestos simples como lavar as mãos coronavírus poderá impactar menos do que todas as projeções feitas até aqui.