Coronavírus: linhagem americana inédita no Brasil provoca primeiro caso de reinfecção de Minas Gerais

Evelin Azevedo
·2 minuto de leitura

RIO — A linhagem americana B.1.2, que circula nos Estados Unidos desde outubro do ano passado foi identificada pela primeira vez no Brasil no dia 1º de março. A nova variante do coronavírus provocou o primeiro caso confirmado de reinfecção de Minas Gerais. Ela foi encontrada no teste RT-PCR de um médico de 29 anos. Ele havia acabado de voltar de uma viagem ao Rio de Janeiro, onde informou ter tido contato com estrangeiros.

Até então esta linhagem não havia sido detectada no Brasil, de acordo com os principais bancos de dados globais de linhagens Sars-CoV-2.

As amostras de swab nasofaríngeo dos dois testes positivos feitos pelo médico estavam guardadas no Hospital Mater Dei, de Belo Horizonte. Por estarem congeladas, foram recuperadas pelos pesquisadores do Laboratório de Imunopatologia da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e entregues à Universidade Federal de Minas Gerais e à Fiocruz para o sequenciamento genético.

— Quando as amostras retornaram do sequenciamento, fomos avaliar o que havia sido sequenciado. Percebemos que a primeira amostra é da linhagem mais dominante no Brasil no ano passado (B.1.1.28). Já a da segunda infecção, era uma amostra da B.1.2. Fomos nos portais dos laboratórios de referência mundial e percebemos que foi a primeira vez que ela foi detectada no Brasil — afirma Alexandre Reis, pesquisador do Laboratório de Imunopatologia do Nupeb/UFOP.

O médico mora em Sabará e trabalha em Belo Horizonte, Caeté e em sua cidade natal. O paciente foi diagnosticado com Covid-19 pela primeira vez em maio de 2020. Na época ele apresentou febre, mialgia, tosse seca, faringite e diarreia. Não houve necessidade de internação e a recuperação foi completa. Ele foi infectado pela linhagem viral B.1.1.28, que circula no Brasil desde março de 2020.

Após a primeira infecção, ele realizou dois testes sorológicos. O primeiro, em agosto, deu positivo para o anticorpo IgG, o que indicava que ele havia desenvolvido memória imunológica. No entanto, em dezembro, ao realizar o segundo exame, o resultado deu negativo.

No dia 6 de janeiro, 230 dias após o primeiro diagnóstico positivo, o médico mineiro realizou um novo teste RT-PCR e teve novo resultado negativo. Novamente, seu quadro evoluiu bem, sem necessidade de internação.

Uma linhagem inédita no Brasil do coronavírus foi encontrada em um médico mineiro de 29 anos. A linhagem americana B.1.2 provou o primeiro caso de reinfecção de Covid-19 de Minas Gerais.