Coronavírus: Ministério da Saúde anuncia 22,9 milhões de testes, mas dá prazo de entrega para apenas 7,9 milhões

André de Souza, Renata Mariz e Leandro Prazeres

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira que vai adquirir e distribuir 22,9 milhões de testes para o novo coronavírus. O prazo de entrega varia de acordo com o tipo de teste e o fornecedor. Do total, a pasta deu o prazo de entrega de 7,9 milhões. O restante ainda está em negociação.

São 14,9 milhões de testes do tipo RT-PCR, que analisam a estrutura molecular do vírus, são mais precisos, mas demoram mais para serem feitos. Deles, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) já entregou 32.576. A meta é chegar a 2 milhões até 30 de março, e mais 1 milhão em três meses. Ainda em março, serão mais 600 mil fornecidos pela Petrobras e, até abril, 1,3 milhão provenientes de empresas privadas. Os 10 milhões restantes ainda estão na fase de "compra pública em negociação".

Há ainda 8 milhões de testes sorológicos, que analisam os anticorpos no organismo da pessoa e são mais rápidos, embora também sejam menos precisos. Segundo o Ministério da Saúde, a Fiocruz entregará 3 milhões até 30 de março. Os outros 5 milhões virão de doação de empresa privada, mas sem data definida ainda. Esses testes serão usados nos profissionais de saúde.

A pasta informou também que está elaborando um novo protocolo para a testagem dos casos em postos volantes. O objetivo é usar esses postos nas cidades com mais de 500 mil habitantes de forma a conter surtos nesses locais.

O Ministério da Saúde também quer ampliar a quantidade de unidades sentinelas - ou seja, unidades de saúde que costumam atender pessoas com problemas respiratórios e já coletam rotineiramente amostras para análise - que fazem os testes de pessoas com síndrome gripal. Irá de 168 para 500.