Coronavírus: Ministério da Saúde não recomenda uso de máscaras pela população

André de Souza
Foto: Nathan Denette/The Canadian Press via AP

O Ministério da Saúde não orienta que a população use máscaras neste momento. Em razão do novo coronavírus, que surgiu na China e não tem ainda nenhum caso confirmado no Brasil, a pasta informou que elas são recomendadas a alguns grupos: os trabalhadores na "linha de frente" em aeroportos e portos que recebem pessoas de fora do país, parte dos profissionais de saúde, e pacientes suspeitos no contato com outras pessoas.

— A máscara neste momento não é para a população em geral. É para os trabalhadores na linha de frente nos pontos de entrada. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está orientando. E também as orientações que estamos fazendo para os serviços de saúde, para a coleta de exames e manejo dos pacientes — explicou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira.

Leia também

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, informou que será publicada nesta sexta-feira uma edição extra do Diário Oficial da União para a aquisição de insumos como máscaras, luvas, gorros, capotes e protetor facial. A previsão é que a licitação em caráter emergencial tenha seu vencedor conhecido em sete dias. Depois, serão necessários de dez a 15 dias para que os produtos cheguem as locais de destino: unidades de saúde e trabalhadores de aeroportos e portos.

— Inicialmente, vamos fazer a aquisição no mercado nacional. Se não conseguirmos, vamos fazer no mercado internacional — disse Gabbardo.

Wanderson defendeu a medida de isolamento domiciliar, em vez da hospitalização, de casos suspeitos que não são graves.

— O isolamento domiciliar é uma medida que nós já adotamos em 2009 quando tivemos a pandemia de influenza (gripe suína). Foi uma medida bastante debatida, mas teve um papel importante para não lotar as unidades de saúde com pacientes que tenham condições de permanecer em casa. Ficar em casa no conforto do domicílio é melhor. As orientações são para que a pessoa não saia de casa, não receba visitas, evite locais. No contato com as pessoas, usem máscaras, lavem as mãos e tenham cuidados adicionais — afirmou o secretário.

Atualmente, há apenas um laboratório nacional de referência para detectar o coronavírus, o da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. A partir de segunda-feira, mais dois vão ser capacitados nos próximos dias: o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e o Instituto Evandro Chagas, no Pará.

O Ministério da Saúde também rebateu "fake news" (notícias falsas) sobre o coronavírus e informou dois canais para obter informações a respeito. Um deles é á página do ministério contra fakenews (aqui). O outro é o Whatsapp 61-99289-4640.