Coronavírus: Ministério prevê zerar fila de 100 mil exames que aguardam processamento nos Laboratórios Centrais

Renata Mariz , Leandro Prazeres e Gustavo Maia
Profissional de saúde faz teste para Covid-19 no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, no Rio.

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde prevê zerar a fila de cerca de 100 mil exames que hoje aguardam processamento nos Laboratórios Centrais (Lacens) do país. A ação faz parte de um programa de testagem, batizado de Diagnosticar para Cuidar, cujos detalhes foram apresentando pela pasta nesta quarta-feira. Serão, no total, 46 milhões de testes, entre sorológicos e moleculares, conforme já havia sido anunciado.

A medida para zerar a fila será feita com parceria de laboratórios privados. Segundo o secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Wanderson Oliveira, a partir da semana que vem os Lacens repassarão as amostras aos parceiros do governo.

- Vamos zerar a fila de testes que está parada em todo o Brasil. Vai aumentar o número de casos confirmados porque tem muitos resultados que ainda estaão aguardando serem inseridos no sistema. Com isso, teremos uma capilaridade enorme - afirmou o secretário.

A estratégia de ampliação de testagem prevê que as 222 unidades da rede sentinela do SUS colete 100% dos casos de síndrome gripal (sintomas mais leves) e de síndrome respiratória aguda grave (sintomas masi graves). Hoje, segundo Wanderson, um caso por dia tem coleta de amostra em cada unidade sentinela, que faz controle de rotina de vírus respiratórios.

A pasta anunciou também que todas as cidades com mais de 500 mil habitantes, nas capitais e regiões metropolitanas, serão instaladas unidades de coleta de diagnóstico emergencial. O formato, segundo Wanderson, é como Brasília começou a fazer, com drive-thru de exames.

Os resultados sairão entre 24h e 96h, pelo celular da pessoa e também no prontuário do médico, se for pelo SUS. Vai ainda para o IBGE, que fará análise sobre a situação da pandemia em cada região. O instituto também usará outros dados, como pesquisas domiciliares e telefônicas.

- O teste nao é para todas as pessoas. É para as pessoas que se enquadram na definição de casos -alertou Wanderson.