Coronavírus: 'Não corram desesperadamente para as lojas', diz presidente da Associação de Supermercados do Rio

Gilberto Porcidonio

RIO - A Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj) informou que não há necessidade de corrida aos supermercados e estoque de mercadorias nas residências. Assim, a alta procura por determinados produtos em algumas lojas pode ter causado a falta momentânea de mercadorias. Por enquanto, os itens mais procurados nos supermercados são papel higiênico, sucos, leite e alimentos congelados.

O presidente da Asserj Fabio Queiroz reforçou, via vídeo, que estão estreitando as parcerias com consumidores para que as entregas aconteçam normalmente durante a epidemia do novo coronavírus, que estão trabalhando com os estoques mais altos do que a normalidade e reforçando os quadros logísticos para que as gôndolas não fiquem vazias.

"Eu faço um apelo: não corram desesperadamente para as lojas. Qualquer alteração neste quadro eu me pronunciarei diariamente mantendo todos informados da atual situação do serviço essencial de abastecimento para a população", disse Fábio em um trecho da gravação.

Por meio de solicitação da Asserj, a Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro (SMTR) publicou, na última sexta-feira, uma resolução suspendendo, por prazo indeterminado, as restrições de acesso e horários para que caminhões de carga e descarga circulem pelo Estado, o que daria mais agilidade no abastecimento. Outra medida pleiteada foi a liberação da venda de álcool 70 líquido, que passará a ser comercializado, em caráter temporário, pelas redes fluminenses assim que as empresas disponibilizem o produto.

Outra medida conquistada pela associação foi a venda, a preço de custo, do álcool gel nos supermercados do Rio a partir deste sábado.