Coronavírus: número de trabalhadores infectados chega a 80 nas plataformas de petróleo

Ramona Ordoñez
·2 minuto de leitura
Plataforma de petróleo no mar

RIO - Em que pesem os protocolos de segurança que as empresas da indústria do setor afirmam adotar para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, continua aumentando o número de trabalhadores contaminados que atuam nas atividades de exploração e produção de petróleo no país. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), até esta sexta-feira já são 172 trabalhadores que testaram positivo para a Covid-19, oito a mais que no dia anterior.

Nas plataformas, o número de trabalhadores contaminados passou de 78 para 80. O total de casos suspeitos também subiu, de 1.020 para 1.073 casos.

Nesta sexta-feira, o diretor de Relacionamento Institucional da Petrobras, Roberto Ardenghy, explicou que cerca da metade dos casos confirmados são de trabalhadores da Petrobras, e a outra metade das empresas operadoras das plataformas. Ele ressaltou que tanto a estatal como as contratadas estão realizando protocolos rígidos de segurança para todos os trabalhadores, incluindo os que embarcam nas plataformas.

Ardenghy, no entanto, admitiu que está sendo avaliada, junto com as autoridades sanitárias, a possibilidade de se fazer os testes antes do embarque nas unidades marítimas.

- Estamos discutindo a possibilidade com a Anvisa e os fornecedores de testes. Caso seja recomendado pelas autoridades sanitárias , podemos passar a fazer testes tantos nos empregados próprios como os demais que vão embarcar - ressaltou o diretor.

Ele disse ainda que a plataforma Cidade de Santos, que teve trabalhadores confirmados com a Covid-19, deve voltar a operar neste fim de semana, e a unidade Capixaba, dentro de dez dias.

A ANP voltou a ressaltar que as empresa vem reduzindo ao mínimo as equipes que trabalham nas plataformas para reduzir os riscos de contaminação, além de também estabelecerem vários procedimentos de segurança e de contingência para garantir a manutenção da operação dos sistemas de produção, questões que vem sendo acompanhadas pela ANP.

Já a s medidas de quarentena dos trabalhadores, pré-embarque e os cuidados com os trabalhadores estão sendo acompanhados pela Anvisa, o o Ministério Público do Trabalho e a Secretaria do Trabalho.