Coronavírus: Niterói volta ao estágio Laranja após nove meses

Giovanni Mourão
·4 minuto de leitura

NITERÓI — Na esperança de atenuar a expressiva alta de internações por Covid-19, Niterói regrediu para o nível Laranja — mais restritivo do que o que vigorava até semana passada, o Amarelo 2 — no plano de transição da pandemia. A troca da bandeira sanitária ocorreu na sexta-feira (25). Antes da mudança oficial, a prefeitura identificou a aceleração nas hospitalizações e se adiantou: no início da semana, anunciou que atividades econômicas com proibição prevista no estágio Laranja — que representa atenção máxima — estariam suspensas de sexta-feira, dia 26, até 4 de abril.

A cidade regrediu ao nível Laranja após somar, na última semana, 10,25 pontos no indicador síntese, que é a soma dos seis indicadores da tabela de controle da pandemia: o plano de transição prevê que as regras sanitárias do nível Laranja devem ser adotadas caso essa pontuação ultrapasse 10.

As restrições foram anunciadas pelo prefeito Axel Grael e pelo secretário de Saúde, Rodrigo Oliveira, no Teatro Popular Oscar Niemeyer, na segunda-feira. O decreto saiu no dia seguinte. No encontro, eles não anunciaram formalmente o retorno ao nível Laranja, do qual Niterói havia saído em junho de 2020, mas os dados que enquadram o município nesse patamar apareceram de relance numa planilha apresentada pelo secretário, onde constava a informação de que Niterói já somava 10,25 pontos no indicador síntese.

Em live transmitida na quarta-feira, um dia após o decreto, Oliveira explicou que a ocupação nas UTIs estava em 51% no dia 18 e superou os 90% no dia 21.

— O cenário é mais grave devido à circulação da nova variante (no estado), a P1. É necessário ampliarmos as restrições não só em Niterói, mas em todo o estado do Rio — disse o secretário.

No dia 25, segundo a Secretaria municipal de Saúde (SMS), a ocupação de UTIs do SUS havia caído para 78%. No mesmo dia, as da rede particular alcançaram 90% de sua capacidade.

Nova cepa

Também na quarta-feira, em audiência pública promovida pelo presidente da Comissão de Saúde, Paulo Eduardo Gomes (PSOL), a representante da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Josy Maria Pinho, disse que a circulação de novas cepas pode ser a explicação para o abrupto aumento de internações.

— Das amostras que enviamos à Secretaria Estadual de Saúde e das quais já recebemos o diagnóstico, todas deram negativo. Ainda aguardamos o resultado de outras. Mas o que colaborou para chegarmos na faixa Laranja foi a velocidade no número de internações — detalhou a sanitarista.

O vereador Paulo Eduardo Gomes defendeu que a prefeitura passe a fornecer os dados da pandemia diariamente, e não mais semanalmente:

— É fundamental que os dados coletados diariamente sejam também disponibilizados para controle externo e conferência. Já buscamos apoio no Ministério Público para ter acesso a esses indicadores.

Membro do Comitê Científico da prefeitura, Rômulo Paes de Sousa participou da audiência e disse que o grande número de jovens internados faz com que a rotatividade dos leitos de UTI seja mais lenta.

— Os jovens, quando apresentam formas mais graves da Covid, permanecem por mais tempo na UTI porque lutam mais, porque têm mais capacidade de combate para enfrentar a infecção — resumiu o epidemiologista da FGV-MG.

A SMS afirma que acompanhará os resultados das medidas ao longo dos dez dias das novas restrições em vigor para, em seguida, fazer uma nova avaliação do que deve permanecer aberto ou fechado na cidade.

Até quinta-feira, Niterói somava 30.721 casos de Covid, que resultaram em 912 mortes. A taxa de letalidade da doença é de 3%.

Restrições

Está proibido o funcionamento de salões de beleza, academias, barbearias, clubes, praias e praças, assim como o atendimento presencial em bares, lanchonetes, restaurantes e quiosques. Museus, bibliotecas, cinemas, teatros, boates, salões e casas de festa também não abrem. As cirurgias eletivas estão suspensas nos hospitais, bem como a abertura das escolas.

Parques e praças estão fechados: apenas o Campo de São Bento e os hortos do Fonseca e do Barreto abrem, entre 9h e 16h. Escolas de esportes e cultura, cursos de idioma e profissionalizantes, autoescolas, feiras, exposições, seminários e eventos similares também estão suspensos. A permanência de pessoas nas ruas entre 23h e 5h é proibida.

Na quinta-feira, o Sindicato dos Hospitais Particulares de Niterói (Sindhleste) defendeu as medidas de restrição e alertou que a rede privada enfrenta dificuldades de expansão devido à falta de equipamentos e suprimentos no mercado.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER ( OGlobo_Bairros )