Coronavírus: passageiros formam fila em estação de trem para embarcar após bloqueios no Rio

Marcos Nunes
PMs e agentes da SuperVia fazem o controle de embarque de passageiros no primeiro dia útil de bloqueios nos transportes públicos

RIO - O primeiro dia útil de validade dos bloqueios no transporte coletivo intermunicipal em direção ao município do Rio, por conta das medidas tomadas para evitar a disseminação do coronavírus, provocou filas enormes para os passageiros que tentavam embarcar nos trens na estação de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, nesta segunda-feira. Quem precisou usar o transporte teve de enfrentar uma fila de mais de 400 metros de extensão só para chegar na passarela que dá acesso à estação. Já para chegar na triagem, feita por PMs e funcionários da SuperVia, pouco antes das bilheteiras, era preciso aguardar em média de 40 minutos a uma hora. Mesmo assim, nem todos conseguiram embarcar, já que apenas funcionários da saúde e profissionais que prestam serviços considerados essenciais têm acesso garantido, de acordo com o decreto do governo estadual. Morador do Bairro Miguel Couto, o eletricista Adão Osório, de 57 anos, saiu de casa às 4h, mas não conseguiu embarcar no trem que o levaria para o trabalho no Centro do Rio.

- Sai de casa bem cedo porque pego no trabalho às 7h15. Enfrentei fila por 40 minutos, mas disseram que eu não poderia embarcar. Já liguei para avisar a meu chefe. O jeito é voltar para casa - disse o eletricista.

O pedreiro Marcos Vinícius da'Silva, de 35 anos, também teve que voltar da estação após enfrentar fila.

- Cheguei aqui às 4h30. Fiquei uma hora na fila nas não deu para pegar o trem. Não sabia que eu não poderia passar. Disseram que o acesso é para o pessoal que presta serviços essenciais. Não sei como vou fazer agora para chegar ao trabalho no Centro - disse.

Orientação:Coronavírus: saiba por que governos e cientistas indicam confinamento para conter a Covid-19

Por conta da triagem, ao chegar na passarela, os passageiros acabavam se aglomerando ficando divididos em duas filas, separados a uma pequena distância um do outro. Para conseguir embarcar nos trens, é preciso mostrar crachá, contracheque ou um documento que comprove que o passageiro é funcionário de setores como saúde, segurança pública, transporte de cargas ou é prestador de algum serviço essencial.