Coronavírus: Prefeitura do Rio recomenda fechamento de quiosques da orla; feiras livres passarão a ser a cada 15 dias

Luiz Ernesto Guimarães

Diante do crescimento de casos de coronavírus na cidade do Rio, que concentra o maior número de infectados do estado (55 pessoas), o prefeito Marcelo Crivella anunciou novas medidas a fim de evitar a propagação do vírus. Entre elas, a recomedanção do fechamento dos quiosques da orla e a presença de fiscais da prefeitura nas garagens do BRT para garantir que toda a frota esteja na rua. As feiras livres passarão a funcionar a cada 15 dias.

O prefeito vai enviar projetos de lei para a Câmara Municipal do Rio nas próximas horas para declarar estado de calamidade pública na cidade.

Ao todo, a cidade do Rio tem 185 casos suspeitos e 103 casos descartados. A prefeitura divulgou um balanço detalhado do perfil dos casos positivos: 17 estão acima dos 60 anos, 35 têm entre 20 e 59 anos. Há 38 casos com históricos de viagens para França, Itália, Espanha e Estados Unidos, 16 de contaminação comunitária.

Há 19 pessoas internadas com suspeita de coronavírus, 12 delas estão no Hospital municipal Ronaldo Gazolla e 7 em outras unidades.

Na manhã desta quinta-feira, a Secretaria estadual de Saúde confirmou a primeira morte por coronavírus no estado do Rio. Uma senhora de 63 anos moradora de Miguel Pereira. A prefeitura de Niterói também anunciou que o senhor de 69 anos, morto na terça-feira, testou positivo para o vírus. A contraprova deve sair ainda nesta quinta-feira ou na sexta-feira.