'Coronavírus representa uma ameaça sem precedentes', diz diretor-geral da OMS

O Globo com agências internacionais
(Foto: Reuters)

GENEBRA — O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse nesta quarta-feira que o novo coronavírus, ao qual chamou de 'inimigo da humanidade', que a Covid-19 é uma ameaça "sem precedentes". O chefe da entidade voltou a cobrar ações incisivas dos países.

O número de mortes causadas pelo coronavírus no mundo chegou a 8 mil hoje. O total de contágios também ultrapassou a casa dos 180 mil.

Leia também:

Com o avanço da Covid-19 pelo mundo, Ghebreyesus voltou a cobrar dos países integrantes das Nações Unidas a implementação de estratégias "compreensivas e exaustivas" para conter a pandemia e achatar a curva de crescimento.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

— Este coronavírus representa uma ameaça sem precedentes. Mas também é uma oportunidade sem precedentes de se unir contra um inimigo comum, um inimigo da Humanidade — disse o diretor-geral em uma coletiva de imprensa virtual.

No âmbito da África, que registrou hoje a primeira morte na região Subsaariana, Ghebreyesus afirmou que o continente "deveria acordar" para a pandemia e evitar aglomerações.

O diretor-geral da OMS defendeu, ainda, que a cartilha mundial para derrotar o Sars-CoV-2 deve se basear essencialmente no isolamento e tratamento dos pacientes, acompanhado da examinação e do rastreamento de todos os casos suspeitos.

Tedros também afirmou que a OMS está estudando tratamentos adotados em vários países contra a Covid-19 com o objetivo de compará-los e identificar os melhores caminhos para combater o novo coronavírus.