Coronavírus: Rio tem 1461 casos e 71 mortes

Funcionários em reunião de combate ao Coronavírus na rede pública de saúde

RIO — Segundo o boletim da secretaria estadual de Saúde divulgado nesta segunda-feira (06) o Rio já registrou 1.461 casos de covid-19 e 71 mortes. Há ainda 75 óbitos em investigação.

Os setes novos óbitos confirmados são de cinco homens e duas mulheres, sendo uma de apenas 28 anos e moradora da capital.

Mulher de 28 anos; do Rio de JaneiroHomem de 40 anos; de ItaboraíHomem de 41 anos de Belford RoxoMulher de 50 anos; do Rio de JaneiroHomem de 64 anos; do Rio de JaneiroHomem de 70 anos; do Rio de JaneiroHomem de 87 anos; do Rio de Janeiro

As cidades que registraram óbitos foram:

Rio de Janeiro – 47Belford Roxo e Duque de Caxias – 3Itaboraí, Niterói, Nova Iguaçu, Rio Bonito e Volta Redonda – 2Arraial do Cabo, Maricá, Mesquita, Miguel Pereira, Petrópolis, Rio das Ostras, São Gonçalo e São João de Meriti – 1

Os municípios com mais casos confirmados são:

Rio de Janeiro – 1.110Niterói – 92Volta Redonda – 55Nova Iguaçu – 29Duque de Caxias – 21

Dois médicos cariocas morrem após serem infectados com o coronavírus

RIO — Dois médicos do Rio de Janeiro tiveram as mortes confirmadas por covid-19. Segundo o Conselho Regional de Medicina (Cremerj), o cardiologista Ricardo Antonio Piacenso morreu no Hospital Ronaldo Gazzola, unidade de referência para o tratamento de coronavírus no Rio. O Cremerj também confirmou a morte do anestesiologista José Manoel de Melo Gomes.

Piacenso é formado pela faculdade Souza Marques e há quatro meses se tornou avô de uma menina. Nas redes sociais, amigos e parentes lamentaram a sua morte e pediram para que os cariocas se mantenham em casa:

"Eu me sinto um pouco desrespeitada quando eu vejo gente se reunindo com os amigos como se nada estivesse acontecendo. Tá todo mundo com saudade dos amigos e da família, sabe? Tá todo mundo cancelando aniversário, viagem, casamento e o que for. Mas não, tem gente que se acha mais importante, o imunizadão e tá lá indo pra casa dos amigos beber, dançar, cantar e tá tudo certo. Não é momento pra isso, sabe? E seu egoísmo pode influenciar outras pessoas e infectar muitas outras.", afirmou uma familiar do médico.

Não foi informado a unidade de saúde em que José Gomes estava. Ele trabalhou no Hospital Naval Marcílio Dias e no Oeste Dor. O Cremerj lamentou a morte de ambos.