Coronavírus: Saiba quais ações o governo do Rio estuda para a reabertura gradual do comércio

RIO - Após um mês e meio do decreto estadual que determinou o fechamento do comércio não essencial por causa da pandemia do coronavírus, o governador do Rio, Wilson Witzel, afirmou, em entrevista ao site "O Antagonista", que pretende fazer a reabertura gradual das atividades comerciais. Witzel disse que o esquema de "abre e fecha" de acordo com a curva de contaminação e óbitos faz parte do plano em estudo. A flexibilização, no entanto, depende da abertura de todos os nove hospitais de campanha cuja previsão, agora, é na segunda quinzena de maio.

De acordo com o decreto atual, o governo só permite o funcionamento do comércio considerado essencial, como farmácias e mercados. Os demais podem funcionar em sistema de entrega domiciliar apenas.

A prefeitura do Rio tem permitido o funcionamento de uma maior variedade de estabelecimentos, como petshops e lojas de material de construção. Nesta quarta-feira, por exemplo, um novo decreto autoriza a abertura de armarinhos e lojas de tecido.

Confira as ações em estudo:

Rodízio de CNPJ: implementação de um rodízio dos estabelecimentos de acordo com número de inscriçãoAbre/fecha: abertura gradual do comércio geral de acordo com a curva de contaminação e óbitos; em momentos de curva ascendente haverá mais restrições na quarentena Limite de ciruclação: há a possibilidade de se limitar o número de pessoas nos estabelecimentos Escalonamento: abertura dos estabelecimentos em horários e dias distintos