Coronavírus: veja dicas para um home office produtivo, com ou sem crianças por perto

Paula Lacerda
1 / 5

header.jpg

O protagonismo do sucesso de um home office está na inteligência emocional

Nas escolas, aulas suspensas. No trabalho, férias antecipadas, equipes em rodízio, horários reduzidos e um novo modelo a se seguir, de acordo com orientação do Ministério da Saúde:  sempre que possível, as empresas devem adotar o trabalho remoto de seus profissionais como primeira opção. Bom senso é pouco para lidar com a nova situação gerada pelo confinamento imposto com a disseminação do coronavírus. É preciso que empresas e profissionais mudem a sua lógica de trabalho, praticando a responsabilidade, a empatia e o foco no bem coletivo.

Compartilhe por WhatsApp:  clique aqui e acesse um guia completo caibre  o coronavírus

— A verdade é que está todo mundo aprendendo a lidar com esta nova situação. E mais do que a tecnologia em dia, com computador e internet estáveis, e uma boa organização de processos, trabalhar em home office é também mudar uma cultura e trabalhar o estado de espírito, com o complicador de ser em meio a uma crise que tende a desestabilizar as pessoas cada vez mais — diz Mônica Camargo Tracanella, uma das sócias da Trilogie, empresa de branding e planejamento de carreira que reuniu e divulgou a seus clientes e colaboradores uma lista com dicas para praticar o home office de forma produtiva.

Para além de processos práticos de organização do tempo e de competências, Mônica diz que o protagonismo do sucesso de um home office está na inteligência emocional. A consultora sugere que cada um avalie o seu equilíbrio e o do restante da equipe, bem como o da família e de pessoas ao seu redor, reconhecendo o que pode melhorar em seu próprio estado e dando suporte a quem mais precisa no momento. Além disso, ela propõe que, para uma sanidade mental e melhor desempenho profissional, as pessoas busquem fugir das fake news e filtrem o conteúdo informativo recebido, diversificando os temas.

— Há várias universidades e instituições oferecendo uma série de conteúdos e cursos bacanas de forma gratuita. Aproveite o tempo livre para lidar com outros temas, tirar o foco das desgraças, baixar a ansiedade — sugere Mônica.

Baixar a ansiedade e o tédio das crianças, no caso de home office com filhos fora das escolas ao redor, também é a sugestão da jornalista e brinquedista Patricia Camargo, que junto com a publicitária Patricia Marinho, alimenta de ideias e propostas o site tempojunto.com.br, com uma relação de mais de 3 mil brincadeiras que pais podem desenvolver com seus filhos em casa. Patricia (a Camargo), ela própria com três filhos pequenos, se viu às voltas com a necessidade de entreter de forma mais qualitativa as crianças quando começou, por eles, há  seis anos, a praticar o home office. No site, há dicas de jogos para crianças de todas as idades, em diferentes circunstâncias e duração. E um dado relevante: há brincadeiras para pais e filhos fazerem juntos e para que crianças desenvolvam sozinhas. Afinal, em tempos de home office, elas vão passar muito tempo sem o acompanhamento mais próximo e precisarão entender que o pai ou mãe precisam trabalhar.

— A gente propõe que a brincadeira faça parte do dia a dia, como um jogo com os pequenos durante o almoço ou naquela pausa de 15 minutos que você faria para um café no escritório. As brincadeiras, além de ajudar no desenvolvimento das crianças, aumentam o vínculo entre pais e filhos — diz Patricia, que, no novo cenário, dá ideias como aproveitar o momento que seria de deslocamento para o trabalho para esta interação, promover a autonomia das crianças em diversas situações e criar rotinas e pausas combinadas com os pequenos (e cumpridas!).

— O tempo é algo muito relativo para uma criança e a pior coisa que ela pode ouvir é um "pera um pouquinho" ou a promessa de que você vai dar atenção depois de um telefonema, para depois esquecer dela. Com rotina e tempo estipulado para cada coisa, ela saberá "o que vem depois" e não ficará perguntando toda hora o que ela pode fazer. E se você respeitá-la, ela também vai te respeitar. Você pode validar junto com seus filhos este plano, com hora certa para acordar, dormir, fazer a refeição, brincar e entender e deixar que você trabalhe. Nada de clima de férias, senão você perde a mão — conclui Patricia.

E aí? Está sozinho ou com crianças? Tranquilo ou ansioso? Já organizou o seu local de trabalho, o tempo e nova rotina? A seguir, dicas para um home office produtivo.

Home office: como fazer