CoronaVac é eficaz contra variante brasileira, aponta estudo com 67 mil profissionais de saúde

Extra
·1 minuto de leitura

Um estudo realizado com 67.718 profissionais de saúde que vivem em Manaus, no Amazonas, apontou que a CoronaVac é eficaz contra a variante P.1 do coronavírus. O levantamento mostra que o imunizante é 50% eficiente para prevenir o adoecimento por Covid-19 14 dias após a primeira dose.

Esse é o primeiro estudo que avalia a efetividade da vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac em locais onde a variante brasileira é predominante.

O comunicado divulgado pelo infectologista Julio Croda, coordenador da pesquisa, informa que os dados relativos à efetividade duas semanas após a segunda dose continuarão a ser coletados ao longo das próximas semanas.

O grupo Vebra Covid-19 é integrado por pesquisadores de instituições brasileiras e internacionais e servidores da secretaria de Saúde do Amazonas. Além de análises de profissionais amazonenses, o grupo pretende ainda avaliar a eficácia da Coronavac e da vacina Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fiocruz, em idosos de Manaus, Campo Grande e São Paulo.