CoronaVac para crianças: Técnicos do Ministério da Saúde devem dar aval à vacinação nesta sexta-feira

Técnicos do Ministério da Saúde devem dar aval à vacinação contra a Covid-19 de crianças de 3 a 5 anos com CoronaVac em reunião nesta sexta-feira. A liberação para estados e municípios iniciarem a aplicação, contudo, ainda vai depender de uma decisão da cúpula da pasta, que aguarda essa avaliação do Comitê Técnico Assessor em Imunizações do Programa Nacional de Imunizações (CTAI/PNI).

Lauro Jardim: Ministério da Saúde acha vacina do Butantan para crianças cara e avalia opção mais barata

Escassez de medicamentos: Dipirona, soro e antibióticos são os remédios mais em falta nos hospitais privados de SP, diz estudo inédito

Eutanásia: Suprema Corte do Peru ratifica direito de mulher com doença incurável de morrer

Ainda não há data para o anúncio oficial do Ministério da Saúde após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar a aplicação da CoronaVac na faixa etária. O ministério também precisa publicar uma nota técnica para orientar como estados, Distrito Federal e municípios devem proceder na aplicação de doses no público mirim.

— Vamos esperar a análise da CTAI. Depois, vamos tomar uma decisão — disse ao GLOBO o secretário-executivo da pasta, Daniel Pereira.

Antecipando-se ao ministério, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), anunciou que a capital vai vacinar crianças de 3 e 4 anos a partir desta sexta-feira. A justificativa para antecipar o calendário é que há doses em estoque. Estados, Distrito Federal e municípios têm autonomia para definir os próprios cronogramas de imunização.

Covid: Subvariante BA.5 da Ômicron se tornará predominante nas Américas em semanas, alerta OMS

A Anvisa incluiu a faixa etária de 3 a 5 anos na bula da CoronaVac após estender a autorização de uso emergencial para o grupo — antes, o aval era a partir de 6 anos. Com cinco votos a favor, a decisão foi tomada por unanimidade na última quarta-feira.

A indicação da Anvisa é de que as crianças recebam duas doses do imunizante, com 28 dias de intervalo. Não há distinção de dosagem e de fórmula entre as faixas etárias. O Instituto Butantan, fabricante de CoronaVac no Brasil, pediu o registro definitivo da vacina à agência no último sábado.

Leia mais: Dois novos pacientes recebem corações de porcos geneticamente modificados nos EUA em transplantes bem sucedidos

Estudo ao qual O GLOBO teve acesso, batizado de Projeto Curumim, mostrou que o público de 3 a 5 anos que recebeu CoronaVac desenvolveu de três a quatro vezes mais anticorpos neutralizantes do que adultos. O total de células de defesa dobra quando comparado com o público de 6 a 17 anos.

O Instituto Butantan não informou se há pedido de compra dessa vacina por parte do ministério e dos estados. A capacidade de produção é de 200 milhões de doses ao ano. Chile, China, Colômbia, Tailândia, Camboja, Equador e Hong Kong já usam CoronaVac no público abaixo de 6 anos.

Alzheimer: Estilo de vida influencia mais do que a idade para o surgimento da doença, diz estudo

“Após aprovação pela Anvisa, o Butantan espera agora que o imunizante seja incorporado ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, de acordo com a demanda necessária e mediante contratação”, diz a nota.

Procurado pelo GLOBO, o ministério não respondeu se haverá compra de novas doses e o estoque da pasta para o imunizante. Em nota, limitou a informar que “vai avaliar, junto à Câmara Técnica Assessora em Imunizações, o uso do imunizante nesta faixa etária”, mas sem definir prazo para a decisão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos