Coronavírus: Brasil tem 12.400 mortes e 177.589 casos confirmados, diz Ministério da Saúde

Brasil teve recorde no número de mortes nas últimas 24h, 881 novos óbitos. (Foto: Fabio Vieira/FotoRua/NurPhoto via Getty Images)

O Ministério da Saúde atualizou para 12.400 o número de mortes em decorrência do novo coronavírus no Brasil nesta terça-feira (12). Ao todo, também foram confirmados 177.589 casos da Covid-19 no país.

Foram registradas 881 novas mortes nas últimas 24 horas, um novo recorde desde o início da pandemia no Brasil. O número de casos entre um balanço e outro cresceu em 9.258 novos infectados. No balanço divulgado na segunda-feira (11), o Brasil contabilizava 11.519 mortes e 168.331 casos de pessoas infectadas

Leia também

O ministério - agora comandado por Nelson Teich -, porém, tem informado que o número real de casos tende a ser maior, já que são testados apenas os casos graves, de pacientes internados em hospitais, e há casos represados à espera de confirmação.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O Brasil confirmou o primeiro caso de Covid-19 em 26 de fevereiro. Um homem de 61 anos de São Paulo contraiu o coronavírus em viagem à Itália, que tem alta taxa de casos da doença.

A primeira morte foi confirmada 20 dias depois, em 17 de março. O paciente era um homem de 62 anos que tinha diabetes e hipertensão. Ele estava internado na UTI do Hospital Sancta Maggiore Paraíso desde o dia 14 e morreu no dia 16. Ele não tinha histórico de viagem para o exterior.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

  • Autor do pedido de impeachment de Dilma diz que Brasil trilha o ‘caminho do bolivarismo’
    Política
    Yahoo Notícias

    Autor do pedido de impeachment de Dilma diz que Brasil trilha o ‘caminho do bolivarismo’

    Reale questionou qual será a resposta de Bolsonaro diante de uma nova ação do STF que o desagrade

  • Coronavírus: 70% dos brasileiros não querem voltar ao trabalho nas próximas semanas, diz pesquisa
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Coronavírus: 70% dos brasileiros não querem voltar ao trabalho nas próximas semanas, diz pesquisa

    Mesmo com mais de 411 mil pessoas infectadas, muitos estados brasileiros anunciaram anunciaram planos de reabertura gradual das atividades

  • Hospitais de campanha do Rio de Janeiro agora não têm mais data para abrir
    Notícias
    O Globo

    Hospitais de campanha do Rio de Janeiro agora não têm mais data para abrir

    TCE afirma que Iabas não tem qualidade técnica comprovada para montar e operar sete hospitais no Estado, num contrato emergencial originalmente orçado em R$ 836 milhões

  • Primeira-dama do Rio é internada com urgência
    Política
    Agência Brasil

    Primeira-dama do Rio é internada com urgência

    A advogada Helena Witzel, mulher do governador do Rio, Wilson Witzel, foi internada de emergência na manhã de hoje (28) no Hospital Central dos Bombeiros Aristarcho Pessoa, no Rio Comprido, zona norte. Segundo o Núcleo de Imprensa do Palácio Guanabara, a primeira-dama foi levada à unidade após um mal-estar. Conforme a assessoria, o governador acompanhou sua mulher, que foi examinada e passa bem. “Ela será reavaliada para ser liberada em seguida”. O governador já voltou ao Palácio Laranjeiras.Helena Witzel é uma das investigadas pela Operação Placebo, que aprofunda as apurações que começaram com a Polícia Civil do estado, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal para investigar existência de um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do Estado do Rio de Janeiro.A Operação foi deflagrada na terça-feira (26), e logo no início da manhã, policiais federais chegaram ao Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo do Rio, na zona sul da cidade, onde mora o governador Wilson Witzel com a família. A Operação Placebo, segundo a PF, apura indícios de desvios de recursos públicos destinados ao atendimento do estado de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do novo  coronavírus (covid-19), no Estado do Rio de Janeiro.O ministro do Superior Tribunal de Justiça Benedito Gonçalves autorizou a operação que teve 12 mandados de busca e apreensão. Além do Palácio Laranjeiras, os agentes cumpriram um dos mandados na casa no Grajaú, na zona norte do Rio, que a família Witzel morava antes do governador tomar posse. O ministro Benedito Gonçalves determinou que o casal preste depoimento à Polícia Federal, mas isso não ocorreu e não há informação sobre a data prevista para que sejam ouvidos.

  • Rafa Kalimann brinca com solteirice na quarentena: ‘Não beijo na boca há cinco meses’
    Notícias
    Extra

    Rafa Kalimann brinca com solteirice na quarentena: ‘Não beijo na boca há cinco meses’

    Não está fácil para ninguém essa quarentena. Alta, bonita, bem-sucedida e... Solteira! Rafa...

  • Coronavírus: cresce reprovação a Bolsonaro no combate à pandemia, diz Datafolha
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Coronavírus: cresce reprovação a Bolsonaro no combate à pandemia, diz Datafolha

    A aprovação do desempenho do Ministério da Saúde na crise do coronavírus despencou. A pasta, agora comandada interinamente pelo general Eduardo Pazzuelo, teve a aprovação de 45%

  • Paolla Oliveira fala sobre cenas de nudez: 'Não tenho vergonha nem pudor'
    Entretenimento
    Extra

    Paolla Oliveira fala sobre cenas de nudez: 'Não tenho vergonha nem pudor'

    A atriz afirmou que algumas pessoas têm uma imagem errada dela e não a convidam para viver certos personagens

  • Além da Terra plana, citado por Bonner no JN, blogueiros defendem cloroquina e culpam China pela Covid-19
    Notícias
    Extra

    Além da Terra plana, citado por Bonner no JN, blogueiros defendem cloroquina e culpam China pela Covid-19

    Ao citar os nomes de alguns dos alvos da Polícia Federal no inquérito que apura fake news e ataques...

  • Polícia demorou 24 horas para buscar resquício de pólvora na mão de delegado
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Polícia demorou 24 horas para buscar resquício de pólvora na mão de delegado

    Cientista forense afirma que perícia tardia pode atrapalhar investigação; “limpeza, lavagem ou contato com outros elementos prejudica o resultado do exame”

  • Imposto de Renda 2020: Receita Federal paga hoje primeiro lote de restituição
    Negócios
    Extra

    Imposto de Renda 2020: Receita Federal paga hoje primeiro lote de restituição

    A Receita Federal paga nesta sexta-feira (29) o primeiro lote de restituições do Imposto de Renda...

  • Bolsonaro atualiza Millôr: "Democracia é quando eu mando em você"
    Política
    Yahoo Notícias

    Bolsonaro atualiza Millôr: "Democracia é quando eu mando em você"

    Os sinais já não estão na rachadura, mas no dinossauro faminto postado na sala a quem já damos bom dia, em vez de perguntar como foi parar ali

  • Crescem protestos nos EUA pela morte de homem negro pela polícia
    Notícias
    AFP

    Crescem protestos nos EUA pela morte de homem negro pela polícia

    Uma pessoa morreu enquanto a indignação segue aumentando em Minneapolis nesta quinta-feira (28), após uma segunda noite de intensos protestos pelo assassinato de um homem negro na segunda, sob custódia da polícia.

  • Política
    Extra

    Alexandre Frota cita Lula para

    O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para...

  • Mourão tira Salles do Fundo Amazônia, mas imagem negativa é obstáculo para volta do fundo
    Notícias
    Folhapress

    Mourão tira Salles do Fundo Amazônia, mas imagem negativa é obstáculo para volta do fundo

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Numa tentativa de reativar as doações da Noruega e Alemanha para ações ambientais no Brasil, o vice-presidente, Hamilton Mourão, enquadrou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o retirou da presidência do comitê orientador do Fundo Amazônia. O colegiado havia sido extinto pelo governo Bolsonaro em abril do ano passado. Isso desencadeou uma disputa com os dois principais doadores e culminou com a paralisação do fundo. A Noruega já transferiu R$ 3,1 bilhões para o mecanismo e a Alemanha, R$ 192 milhões. Os recursos são aplicados em projetos de combate ao desmatamento e de promoção da conservação da floresta. Para vencer a resistência dos europeus, Mourão, designado por Bolsonaro para presidir o Conselho da Amazônia, se reuniu nesta quinta-feira (28) com os embaixadores de ambos países. Ele apresentou a nova modelagem do comitê. Segundo o vice, o órgão será recriado por decreto. Entre as mudanças, a presidência do comitê sairá das mãos de Salles e passará para Mourão. "Convocamos os dois embaixadores, mais o presidente do BNDES [Gustavo Montezano], que é a parte técnica, para apresentar a nossa nova visão da governança do fundo. E a constituição do comitê do Fundo Amazônia, que passa a ser presidido por mim também", disse Mourão, após o encontro com Nils Gunneng (Noruega) e Georg Witschel (Alemanha). No entanto, os chefes das missões diplomáticas disseram a Mourão que o maior obstáculo hoje para que seus governos deem luz verde para a retomada das doações é a imagem amplamente negativa do governo Bolsonaro na Europa em temas de conservação e sustentabilidade. A percepção de que a atual administração brasileira não está comprometida com a preservação ambiental, que já era disseminada no continente diante do aumento do desmatamento e a crise das queimadas do ano passado, ficou ainda pior com a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. Nela, Salles defende aproveitar o "momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas". Neste momento, fica difícil, senão praticamente impossível, conseguir a aprovação de Oslo e Berlim para a volta das contribuições ao Brasil, disseram os diplomatas a Mourão. Apesar das barreiras apontadas pelos europeus, só o afastamento de Salles como interlocutor do governo é visto com bons olhos pelos governos estrangeiros. Os termos propostos por Salles nas fracassadas rodadas de negociação no ano passado foram considerados inaceitáveis pelos dois países doadores. Nas diversas embaixadas em Brasília, por outro lado, Mourão é visto como uma voz pragmática e aberta ao diálogo. Depois do encontro, o vice-presidente reconheceu que cabe ao Brasil apresentar números que mostrem aos europeus que as transferências podem voltar a ser feitas. "É aquela história, estou falando francamente aqui com vocês: temos de mostrar que estamos fazendo a nossa parte. Estamos com essa operação para impedir o desmatamento", disse Mourão. "A nossa grande visão é no segundo semestre a gente derrubar aquela questão de queimada. A gente terá, então, um trabalho para mostrar. A partir daí, não tenho dúvida que retorna o financiamento", afirmou. "Uma coisa tem de ficar clara: se nós vivêssemos num país com tranquilidade fiscal, com recursos sobrando, eu não preciso de recursos de ninguém de fora. Concordam comigo? Mas nós não estamos nessa situação. Então, vamos usar o recurso que eles vão oferecer para gente", disse. Em paralelo, ele destacou que há cerca de R$ 400 milhões em projetos do fundo que estão atrasados e que, após a reestruturação do comitê orientador, já podem ser retomados. O desafio de Mourão é acordar uma metodologia com Noruega e Alemanha que não dependa das taxas de desmatamento captadas por satélites pelo Prodes, uma vez que eventuais resultados positivos da Operação Verde Brasil - que envolve o emprego de militares para o combate ao desmatamento na Amazônia Legal-- só aparecerão, por esse sistema de medição, em 2021. Além de assumir a presidência do comitê do Fundo Amazônia, Mourão propôs outras modificações na governança. O vice estabeleceu que os 27 integrantes do comitê serão divididos entre representantes do governo federal (9), dos estados da Amazônia Legal (9) e da sociedade civil (9). Pela modelagem feita, o comitê não ficaria responsável apenas por traçar as diretrizes dos projetos que recebem recursos do fundo, como ocorria até a sua extinção, mas também por dar uma aprovação política para essas iniciativas.

  • Mosaico romano descoberto
    Notícias
    AFP

    Mosaico romano descoberto

    Um mosaico romano que data de cerca de 300 anos depois de Cristo foi descoberto sob o solo de um vinhedo no interior da Itália. O objetivo, agora, é que o local possa receber turistas que queiram apreciar a beleza do artefato.

  • Defensor francês da cloroquina vira o novo herói dos "antissistema"
    Notícias
    AFP

    Defensor francês da cloroquina vira o novo herói dos "antissistema"

    O cientista francês Didier Raoult, grande defensor da cloroquina, se tornou durante a crise de saúde um herói "antissistema", com a promoção de um tratamento barato contra os interesses da indústria farmacêutica, além de suas críticas à imprensa e à "elite de Paris".

  • Sara Winter xinga Moraes, diz querer trocar socos com ele e promete infernizá-lo
    Política
    Folhapress

    Sara Winter xinga Moraes, diz querer trocar socos com ele e promete infernizá-lo

    A ativista bolsonarista foi alvo da operação no âmbito do inquérito das fake news do STF

  • Eduardo Bolsonaro diz que Forças Armadas podem 'colocar pano quente' no conflito entre Poderes
    Política
    Extra

    Eduardo Bolsonaro diz que Forças Armadas podem 'colocar pano quente' no conflito entre Poderes

    A declaração vem um dia após o ministro do Supremo Alexandre de Moraes autorizar uma operação no inquérito que apura fake news e mensagens contra a Corte

  • O que acontece se a Terra parar de girar?
    Notícias
    Originais do Yahoo

    O que acontece se a Terra parar de girar?

    Neste momento, estamos rodando a uma velocidade de 1.669 km/h na linha do Equador. Nós não ficamos enjoados, ou tontos, pois tudo que vemos está girando no mesmo ritmo. Se o globo freasse de uma vez, seríamos arremessados a leste (sentido de rotação da Terra) com uma força inimaginável. Quanto mais longe da linha do Equador, menor seria o deslocamento. Mas mesmo assim, catastrófico. Em São Paulo, uma pessoa seria voaria a 1.535 km/h. Enquanto em Porto Alegre o número cairia para 1.446 km/h. Já em Longyearbyen, na Noruega, que fica próxima ao Polo Norte, a corrida seria mais “suave”: 346 km/h. A atmosfera continuaria girando e criaria ventanias e tsunamis catastróficos. A maior parte da água dos oceanos está na linha do Equador, onde o mar é até 8 km mais alto. Esse acúmulo deixaria de existir, os mares seriam espalhados alagando algumas regiões e fazendo surgir novas terras. Se o movimento de translação continuasse nessa teoria, teríamos 6 meses de dia e 6 de noite. A Terra, na verdade, já está freando. Mas 1,5 milissegundo a cada 100 anos. Em 4,6 bilhões de anos ela irá rodar 7 vezes por ano e os dias terão 1.152 horas. Não vai dar para reclamar que está sem tempo. Veja mais •Quantas bactérias vivem no nosso corpo? •As obras de arte mais valiosas do mundo •Conheça a maior cidade fantasma do mundo

  • Primeiro casamento gay na Costa Rica
    Estilo de vida
    AFP

    Primeiro casamento gay na Costa Rica

    Dunia e Alexandra se tornaram o primeiro casal de mesmo sexo a se casar na Costa Rica. O país legalizou o casamento homossexual, se tornando o primeiro na América Central. VERSÃO LEGENDADA