#Verificamos: É falso que caixões de vítimas de Covid-19 em Belo Horizonte estavam cheios de pedras

Agência Lupa
·2 minuto de leitura
É falso que caixões de vítimas de Covid-19 em Belo Horizonte estavam cheios de pedras - Foto: Reprodução
É falso que caixões de vítimas de Covid-19 em Belo Horizonte estavam cheios de pedras - Foto: Reprodução

por NATHÁLIA AFONSO

Circula nas redes sociais um post com a afirmação de que foram desenterrados diversos caixões de vítimas da Covid-19 em Belo Horizonte (MG). Ao serem abertos, não havia corpos de pessoas mortas pelo novo coronavírus no seu interior, e sim pedras e papelão. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

É falso que caixões de vítimas de Covid-19 em Belo Horizonte estavam cheios de pedras - Foto: Reprodução
É falso que caixões de vítimas de Covid-19 em Belo Horizonte estavam cheios de pedras - Foto: Reprodução

“FORAM DESENTERRADOS DIVERSOS CAIXOES NO CEMITERIO DE BH E ENCONTRARAM PEDRAS E PAPELAO DENTRO! E DAI’ , HIPOCRITAS!”
Texto publicado no Facebook que, até às 16h do dia 30 de abril de 2020, tinha sido compartilhado por mais de 16 mil pessoas no Facebook

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A assessoria de imprensa da prefeitura de Belo Horizonte informou, em nota, que não há registro de caixões vazios sendo desenterrados em qualquer cemitério da cidade. “Trata-se de notícia falsa (fake news)”, disse. A prefeitura ressaltou ainda que cada cemitério realiza sepultamentos de Covid-19 respeitando as medidas preventivas recomendadas pelo Ministério da Saúde.

Tampouco há qualquer referência a esse caso em veículos de comunicação locais. A Lupa buscou informações em veículos baseados na capital mineira, incluindo o Estado de Minas, Super Notícia, O Tempo e G1 Belo Horizonte, e não encontrou nenhuma reportagem citando este fato.

A única história tratando de um caso similar foi publicada pelo BHAZ, e a reportagem, além de não ter ocorrido em Belo Horizonte, dizia o exato contrário: por causa de notícias falsas, pessoas com familiares mortos por Covid-19 em Manaus estavam abrindo caixões que, por segurança, deveriam ficar lacrados. Nenhum deles estava vazio.

O boletim epidemiológico da prefeitura de Belo Horizonte comunica que o município tinha 561 casos confirmados e 16 óbitos da doença até o dia 29 de abril. Contudo, o número de casos suspeitos é bem maior e já totalizou 30.366 notificações. Desses, apenas 1.244 foram descartados.

Essa não é a primeira vez que circula pelas redes sociais um post sobre supostos enterros simulados de vítimas da Covid-19. Na última quarta-feira (29), a Lupa desmentiu um boato que dizia que caixões vazios estariam sendo enterrados em Manaus para provocar pânico na população. Classificamos a informação como falsa.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés e Maurício Moraes