A homenagem silenciosa da China aos 'mártires' contra o coronavírus

Em Wuhan, na China, cidade epicentro do novo coronavírus, morador despeja flores no monumento de combate às enchentes durante homenagem silenciosa às vítimas do vírus. (Photo: Getty Images via Getty Images)

A China, epicentro inicial do surto do novo coronavírus, lamentou neste sábado (4) as vítimas e os mártires que morreram no período de epidemia no País. Em sinal de respeito, a bandeira nacional foi exibida a meio mastro em todo o país. 

O chamado “dia do luto” coincidiu com o início do festival anual de Qingming para reverência aos mortos do país, em que milhões de famílias chinesas lembram e prestam homenagem aos seus antepassados. A data é semelhante ao “Dia dos Mortos”, no México, e ao de Finados, aqui no Brasil.

Às 10h, no horário de Pequim, o país observou um silêncio de três minutos para reverenciar aqueles que morreram, incluindo trabalhadores de saúde e médicos na linha de frente do combate ao vírus. As pessoas pararam nas ruas, enquanto trens, automóveis e navios soavam suas buzinas ou apitos - como que em intenção de causar um choro coletivo e, ao mesmo tempo, grito de liberdade.

Em respeito aos mortos, o país também proibiu neste sábado todas e qualquer atividade pública de lazer e entretenimento para seus 1,4 bilhão de habitantes. Até alguns videogames chineses online ficaram inacessíveis à população.

Policiais chineses utilizando máscaras protetoras marcham pela Praça Tiananmen durante um luto nacional às vítimas em Pequim. (Photo: Lintao Zhang via Getty Images)

Em Zhongnanhai, a sede do poder político em Pequim, o presidente Xi Jinping e outros líderes chineses prestaram homenagem silenciosa em frente à bandeira nacional, com flores brancas presas no peito como sinal de luto, informou a mídia estatal.

Mais de 3.300 pessoas morreram na China continental em consequência da epidemia, que surgiu em Wuhan, província central de Hubei, no final do ano passado, de acordo com dados publicados pela Comissão Nacional de Saúde.  Foram registradas 2.567 mortes em Wuhan. As vítimas fatais de Wuhan representam mais de 75% das mortes por coronavírus no país.

A cidade, que é berço do coronavírus e tem 11 milhões de habitantes, teve todos os semáforos na cor vermelhos às 10h da manhã e o tráfego parou por três minutos. A equipe do hospital de Tongji - o principal da cidade - saiu pelas portas do centro médico. Alguns ainda usavam roupas de proteção, que se tornaram um símbolo da crise em todo o mundo.

Pessoas segurando flores observam um momento de silêncio em um evento memorial em Pequim. (Photo: Stringer . / Reuters)

O tributo também proporcionou uma oportunidade de lamentar os “mártires” do vírus, um título honorário concedido pelo governo nesta semana a 14 profissionais de saúde que morreram combatendo o surto.

Entre eles está Li Wenliang, um médico de Wuhan que foi repreendido pelas autoridades por tentar avisar outras pessoas nos primeiros dias do contágio.

Apesar de a China ter interrompido a propagação doméstica do vírus, algumas restrições ainda permanecem para impedir uma segunda onda de infecções. Por esse motivo, a população foi orientada a não visitar os cemitérios hoje.

Veja mais imagens da homenagem dos chineses às vítimas da covid-19:

Em Wuhan, na China, cidade epicentro do novo coronavírus, morador despeja flores no monumento de combate às enchentes durante homenagem silenciosa às vítimas do vírus. (Photo: Getty Images via Getty Images)
Policiais chineses usam máscaras protetoras em homenagem silenciosa durante um memorial para lamentar as vítimas de COVID-19 na Torre do Memorial do Povo de Xangai em 4 de abril de 2020 em Shanghai, China. (Photo: Yifan Ding via Getty Images)
A tão esperada "aglomeração", mesmo com distância, em homenagem silenciosa na Praça Tienanmen em Pequim, China. (Photo: Fred Lee via Getty Images)
(Photo: Fred Lee via Getty Images)
(Photo: Fred Lee via Getty Images)
Uma mulher segura um buquê floral enquanto as pessoas se reúnem em memorial oficial realizado para vítimas de coronavírus em Wuhan. (Photo: ASSOCIATED PRESS)
(Photo: ASSOCIATED PRESS)
(Photo: STR via Getty Images)
(Photo: STR via Getty Images)
Funcionários prestam homenagem aos mártires no cemitério de Guangzhou Yinhe em Guangzhou, província de Guangdong, sul da China. (Photo: Xinhua News Agency via Getty Images)
A bandeira nacional chinesa voa a meio mastro na Praça Tiananmen, em Pequim. (Photo: Carlos Garcia Rawlins / Reuters)

LEIA MAIS:

Renda emergencial traz inédito reconhecimento das trabalhadoras informais e chefes de família

Coronavírus já matou mais de 1.300 em Nova York e mudou a cidade completamente

Confusão sobre primeiro caso de coronavírus no Brasil foi erro de digitação, diz Mandetta

Love HuffPost? Become a founding member of HuffPost Plus today.

This article originally appeared on HuffPost.