Crise do coronavírus deve cancelar festas juninas do Nordeste

Os cancelamentos aconteceriam para impedir disseminação do vírus. Foto: Pixabay

Por conta da crise do novo coronavírus no Brasil, as tradicionais festas juninas do Nordeste correm o risco de não acontecerem em 2020. Mesmo faltando alguns meses para junho e julho, época em que as festividades acontecem, os Estados ainda não têm uma resposta definitiva para dar em relação aos cancelamentos das atividades.

A reportagem questionou todos os governos da região sobre quais são as expectativas para a realização - ou não - das festas. Por meio de sua assessoria de imprensa, o governo do Piauí afirmou que, no momento, “nem se fala nisso”. Mas que “está em vigor o decreto que suspende todas as atividades. Então, [a realização das comemorações] dependerá da pandemia do coronavírus”.

Leia também

O governo do Rio Grande do Norte informou que o decreto número 29.556, de 24 de março de 2020, determinou a suspensão de atividades coletivas de qualquer natureza em relação a atividades coletivas com público superior a 20 pessoas. Sendo assim, estão proibidos eventos de qualquer natureza, salvo aqueles destinados às medidas de combate ao novo coronavírus. Sendo assim, a medida atinge as festas juninas.

Leia também:

Por meio de nota, o governo da Bahia afirmou que a realização das festas ainda está em análise pelas autoridades. “A realização do São João neste ano, entretanto, é muito pouco provável [por conta da pandemia]”, informou.

Já o governo do Maranhão comunicou que o calendário de eventos públicos no Estado está sendo reavaliado em razão da crise sanitária. “Especificamente sobre o São João do Maranhão, a decisão em caráter definitivo será tomada no mês de maio”, afirmou o governo por meio de nota.

“O governo do Maranhão entende a importância do evento para os grupos culturais do Estado e a relevância das festas que integram a identidade maranhense. Portanto, estima que, caso não seja possível realizar o evento nos moldes e nas datas tradicionais, deverá adotar medidas alternativas para realizar os festejos”, diz o comunicado.

A Secult (Secretaria da Cultura) do Estado do Ceará disse, por meio de nota, que está cumprindo as medidas necessárias estabelecidas pelo Governo do Estado do Ceará através da publicação dos decretos número 33.510, de 16 de março de 2020, e número 33.519, de 19 de março de 2020.

Os dois decretaram situação de emergência em relação à saúde e intensificaram as medidas para enfrentamento da infecção humana pelo Covid-19. A secretaria afirmou que “anualmente é lançado o Edital Ceará Junino, uma ação continuada de fomento à valorização de grupos e manifestações próprias do ciclo junino”.

“Ressaltamos que, em 2020, o edital já foi lançado e está em sua vigésima segunda edição, cumprindo o calendário previsto até o momento para o fomento às festas juninas. Referente ao Edital, a Secult seguirá com suas tramitações e irá informar sobre o andamento dos mesmos aos proponentes por meio de comunicados, considerando suas especificidades e calendários”, afirmou a pasta.

“Vale salientar que a Secult está atuando em regime de teletrabalho, condição que poderá ser estendida pelas medidas governamentais de combate e prevenção ao novo coronavírus. Essa condição restringe algumas atividades que hoje são eminentemente presenciais e físicas, sendo necessário uma readaptação para o ambiente virtual, ao longo desse período”, comunicou a secretaria.

Os demais Estados não responderam o questionamento sobre as festas até o fechamento desta reportagem. Caso sejam enviadas respostas, elas serão acrescentadas no texto final.