Covid-19 separa brasileiro vice-campeão mundial de judô da família e trabalho no Canadá

Leandro Cunha (d) no Mundial de 2011. Foto: Stephane Reix/For Picture/Corbis via Getty Images

Por Ivo Felipe

O surto do novo coronavírus alterou de forma drástica o panorama esportivo mundial e seus efeitos chegaram também a Leandro Cunha, ex-judoca brasileiro, que trabalha como treinador de categorias da base no Canadá. Vice-campeão mundial da modalidade na categoria até 66kg masculina em 2010 e em 2011, ele mora há dois anos e meio na América do Norte e teve sua rotina afetada pelo Covid-19. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Sua esposa e filha não puderam retornar do Brasil ao Canadá devido ao fechamento das fronteiras do país, anunciado pelo primeiro ministro Justin Trudeau na última segunda-feira, 16. Por um período indeterminado, somente canadenses e residentes permanentes estão autorizados a entrar no Canadá. 

Leia também:

Além disso, o vínculo de Leandro Cunha com a Judo Ontario, onde estava baseado, foi encerrado prematuramente - iria até agosto, após os Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão. Consequência, sobretudo, da suspensão de todos os eventos esportivos no país. 

O Open Nacional de Judô, por exemplo, que aconteceria de 12 a 14 de maio, em Edmonton, foi adiado para julho. Há, no entanto, uma incerteza mundial sobre como o calendário esportivo procederá à medida que os casos de Covid-19 aumentarem. Até sexta-feira, 20, 873 casos de pessoas com o novo coronavírus haviam sido reportados no Canadá - 258 deles em Ontario. 

“Passei um período no Brasil e, quando retornei, em março, fui chamado e tive meu contrato de trabalho encerrado. É uma situação complicada, porque todas as atividades estão paradas, o que dificulta para eu conseguir algo novo. Minha família estava a passeio no Brasil, retornaria em breve, mas com o fechamento da fronteira, a entrada de imigrantes está proibida”, disse, por telefone, Leandro, 39, que representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. 

A própria Olimpíada é, atualmente, tema de grande controvérsia. O Comitê Olímpico 

Internacional (COI) e o Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio 2020 refutaram até o momento alterações na data da competição, prevista para ocorrer de 24 de julho a 9 de agosto. 

Atletas, no entanto, têm se manifestado constantemente nas redes sociais, uma vez que os treinamentos têm sido limitados ou totalmente interrompidos devido às precauções necessárias para impedir a disseminação do vírus. 

“Não acho que vá ter um controle da pandemia a tempo, então eu imagino que o certo é adiar os Jogos Olímpicos. Alguns torneios que contam pontos para o ranking mundial do judô já foram cancelados, muitos atletas deixaram de disputar pontos. É uma situação muito complicada”, opinou Leandro. 

Além das competições olímpicas, a América do Norte vê a suspensão de praticamente todos os seus eventos esportivos. Ligas como a NBA (basquete), MLB (beisebol), NHL (hóquei) e a MLS (futebol) adiaram seus campeonatos sem prazo para retorno. 

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.