“Não tenham medo”, diz Mandetta em sua última coletiva como ministro da Saúde

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
Mandetta se despede do cargo de ministro da Saúde após ser demitido por Bolsonaro (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Mandetta se despede do cargo de ministro da Saúde após ser demitido por Bolsonaro (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)

Em sua última entrevista coletiva como ministro da Saúde, nesta quinta-feira (16), Luiz Henrique Mandetta elogiou servidores e colaboradores antes de anunciar que está de saída do ministério.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Ele pediu que os servidores que ficam no Ministério da Saúde continuem se dedicando ao seu substituto: “Trabalhem pelo próximo ministro, tal qual vocês trabalharam por mim”.

Leia também

“Não tenham medo, não façam um milímetro diferente do que vocês sabem fazer. Deixo esse Ministério da Saúde com muita gratidão pelo presidente ter me nominado e por ter deixado eu nominar cada um de vocês”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Ele reforçou que o objetivo dos servidores da pasta é manter o foco na defesa da vida, do Sistema Único da Saúde e da ciência. "A ciência é a luz. É o Iluminismo. Apostem todas as suas energias através da ciência”.

Luiz Henrique Mandetta afirmou que passará a atuar a favor da saúde pública em esfera internacional. “Podem ter certeza que eu vou lutar no campo da saúde pública mundial”.

Ele disse que o século começa a ser escrito agora, após a pandemia do coronavírus. “O século XXI será dividido entre antes e após a Covid-19. Estamos começando o século XXI e ele virá com muitas verdades que eram absolutas virarão pó. Muitas certezas serão questionadas”.

Em sua fala, Mandetta fez um alerta sobre o número de casos de coronavírus no Brasil.

“A vida de uma pessoa na Cracolândia tem o mesmo significado de um homem mais rico pela mesma vaga de uma CTI. Não pensem que não estamos livres de um pico de ascensão dessa doença. O sistema de saúde ainda não está preparado para uma marcha acelerada. Sigam orientações das pessoas mais próximas que estão em contato com a saúde, que são prefeitos, governadores e o próprio Ministério da Saúde”.

“Como cidadão, trabalharei em dobro pelo meu país”, finalizou, sob aplausos.

Mais cedo, ele confirmou sua demissão por meio de sua conta no Twitter.

“Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu.

A demissão aconteceu após um longo processo de embate entre o presidente Jair Bolsonaro e Mandetta diante das ações de combate ao coronavírus.

Bolsonaro anunciou também que o oncologista Nelson Teich assume no lugar de Mandetta.